Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Edvaldo Brito recorda amizade e transmissão da Prefeitura a MK em 1979

[Imagem not found]
Foto :

Por João Brandão no dia 04 de Maio de 2015 ⋅ 09:53

O vereador e ex-prefeito e vice-prefeito de Salvador, Edvaldo Brito (PTB), fez uma viagem no tempo, durante entrevista à Rádio Metrópole nesta segunda-feira (4), e falou da amizade com Mário Kertész, lembrando inclusive as desavenças políticas. Brito recordou a época em que administrou a cidade entre agosto de 1978 e março de 1979, vindo posteriormente a entregar o cargo ao agora comunicador.

"Dos meus títulos, o melhor que tenho são esses quase 50 anos de amizade entre a gente. Eu tenho um histórico do dia em que nós conversamos sobre a sua sucessão à minha gestão, são coisas da política naquele momento. Tudo indicava que eu não lhe transmitiria o cargo. Não adianta hoje lembrar por quê, mas eu, firme e forte, como é do meu caráter, disse a você que eu transmitiria o cargo. As desavenças existentes na política com outras pessoas não podiam interferir em nós dois -- por variadas razões, até porque eu achava que a Prefeitura iria ser entregue para um homem digno igual a você e trabalhador, a quem a Bahia deve muito", declarou Brito. 

O vereador ainda exaltou o crescimento de Mário Kertész na política e na comunicação da Bahia, por meio da Rádio Metrópole. "Essa coisa que está aí foi fruto da sua cabeça de menino, um sonhador, realizador, que conseguiu fazer. Eu não achava nenhuma razão política para que eu não fizesse aquele ato", encerrou, referindo-se à transmissão do cargo.

Notícias relacionadas

[Base de Bolsonaro age para minar CPI no Senado]
Política

Base de Bolsonaro age para minar CPI no Senado

Por Augusto Romeo no dia 13 de Abril de 2021 ⋅ 08:40 em Política

Aliados do governo preparam ofensiva, e ala do STF tenta maioria para que comissão só precise ser instalada após fim da pandemia