Política

Imbassahy gasta quase R$ 4 mil em restaurante para comemorar impeachment

Um dos mais ferrenhos opositores da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antonio Imbassahy, comemorou em grande estilo no dia 17 de abril a aprovação do processo deimpeachment da petista, que em seguida prosseguiu para o Senado. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Matheus Morais no dia 18 de Setembro de 2016 ⋅ 19:29

Um dos mais ferrenhos opositores da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antonio Imbassahy, comemorou em grande estilo no dia 17 de abril a aprovação do processo de  impeachment da petista, que em seguida prosseguiu para o Senado. Segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, o tucano se fartou almoçando num dos restaurantes mais chiques de Brasília, o Coco Bambu, especializado em frutos do mar. Na oportunidade, ele gastou exatos R$ 3.687,50. 

Ainda segundo a publicação, a bancada do PSDB na Câmara pediu reembolso de R$ 6.975,50 por apenas três refeições oferecidas a seus deputados durante o impeachment de Dilma. Duas das notas foram apresentadas no dia da votação em plenário. Além da nota de Imbassahy, outra, de R$ 1.088,00 no Xique Xique, foi emitida no dia em que Jovair Arantes (PTB-GO) apresentou seu relatório favorável à admissibilidade do processo contra Dilma Rousseff.

Para se ter uma ideia, se o custo da refeição fosse R$ 60, 61 convidados poderiam ter participado da pomposa comemoração do tucano Antonio Imbassahy. Ele já tinha gasto mais de 1.300 litros de combustível em um período de 30 dias somente neste ano. Em denúncia divulgada pelo jornalista Pablo Reis, o parlamentar baiano, que trabalha na Câmara dos Deputados, em Brasília, durante a semana, desembolsou mais de R$ 3.210,00 no fim de julho no Posto Mataripe, localizado na Avenida Mário Leal Ferreira, a Bonocô. Tá bom ou quer mais? 

Outro lado

Em entrevista à Rádio Metrópole nessa segunda-feira (19), o deputado negou a comemoração e disse que o valor custeou as refeições de 52 deputados. "Não houve jantar para comemorar [a saída de Dilma]. O que aconteceu é que nós não tínhamos restaurantes dentro da Câmara. O acesso estava prejudicado, havia uma mobilização popular, o acesso estava restrito. Eu providenciei que um restaurante promovesse almoço e jantar para os 52 deputados que estavam votando. Essa nota se refere ao fornecimento de refeições para 52 deputados, almoço e jantar. Foram 52 deputados. Eu jamais ia fazer isso para debitar na conta do contribuinte, [foi] pago pela bancada do PSDB. Foi no dia do impeachment, quero deixar claro em relação à minha conduta que sempre foi séria", disse.

Segundo a liderança do PSDB, o nome do deputado aparece na nota porque, na posição de líder partidário, é quem autoriza os pagamentos. "As notas apresentadas seguem estritamente as regras estabelecidas pela Câmara e todos os valores pagos foram devidamente declarados." 

Notícias relacionadas

[Abaixo-assinado ‘antiAras’ deve chegar ao Legislativo]
Política

Abaixo-assinado ‘antiAras’ deve chegar ao Legislativo

Por Alexandre Galvão no dia 03 de Junho de 2020 ⋅ 07:20 em Política

Chefe do Ministério Público no Brasil, Aras não integrou a lista tríplice de nomes sugeridos pela Associação Nacional dos Procuradores da República

[Alexandre de Moraes toma posse como ministro do TSE]
Política

Alexandre de Moraes toma posse como ministro do TSE

Por Luciana Freire no dia 02 de Junho de 2020 ⋅ 18:48 em Política

Autoridades participaram da cerimônia de posse por videoconferência, entre elas, o presidente Jair Bolsonaro; mandato no cargo é de dois anos