Política

Câmara: pastor fala da expectativa de assumir vaga no lugar de Ana Rita Tavares

Após o candidato do Partido Ecológico Nacional (PEN) a vereador de Salvador Ubiratan de Oliveira conseguir contabilizar seus votos depois da eleição, na condição de subjúdice, e a coligação alcançar um quociente suficiente para conquistar uma vaga na Casa, a vereadora Ana Rita Tavares (PMB) poderá perder a cadeira no Legislativo Municipal. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação/ Eleições 2016

Por Matheus Morais no dia 14 de Outubro de 2016 ⋅ 12:37

Após o candidato do Partido Ecológico Nacional (PEN) a vereador de Salvador Ubiratan de Oliveira conseguir contabilizar seus votos depois da eleição, que estavam subjúdice, e a legenda alcançar um quociente suficiente para conquistar uma vaga na Casa (29.150 votos)a vereadora Ana Rita Tavares (PMB) - reeleita com 8.351 votos - poderá perder a cadeira no Legislativo Municipal. Neste caso, quem assumiria é Márcio Ribeiro (PEN), pastor evangélico da Igreja Assembleia de Deus. Contatado pelo Metro1, no início da tarde desta sexta-feira (14), Ribeiro afirmou que está na expectativa pela decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que analisa o caso. 

"Já estávamos acompanhando isso desde a segunda-feira, depois da eleição. Estávamos no impasse, mas descobrimos que nosso candidato, Ubiratan de Oliveira, que teve 1950 votos, estava todo certo. Quando o partido fez as contas e viu que tinha ultrapassado o quociente eleitoral, aí a gente já tinha 80% de certeza que ia buscar a vaga. A qualquer momento, o TRE deve recalcular isso, estamos na expectativa", ressaltou. "Se o TRE não der a vaga ao PEN, ele vai infrigir a lei da proporcionalidade. O mandato não é meu, é do partido. O mais votado dentro do colegiado assume uma vaga", completou. 

Ribeiro, que teve 2.914 votos, disse que suas principais bandeiras são a educação e a saúde. "Nós apresentamos ao prefeito ACM Neto, na época da campanha, propostas viáveis para a mobilidade urbana também", destacou. 

Em entrevista à Rádio Metrópole, na segunda-feira (10), o advogado especialista em direito eleitoral Ademir Ismerim detalhou o caso. "O PEN não atingiu esses 29 mil quando houve a eleição. Tinha um candidato dele, um tal de Ubiratan, tinha 1950 votos que não tinha sido contado. Na sexta, foi deferido o registro do PEN, levando uma vaga, poderá tirar uma vaga da coligação encabeçada pelo DEM, e aí tá dizendo que a moça [Ana rita Tavares] é a última colocada", finalizou.

Notícias relacionadas

[CCJ da CMS aprova relatório do Estatuto da Igualdade Racial]
Política

CCJ da CMS aprova relatório do Estatuto da Igualdade Racial

Por Alexandre Galvão no dia 22 de Maio de 2019 ⋅ 14:37 em Política

Apesar da aprovação, parte dos vereadores não ficou contente. "Eu não sei como a CCJ deixou passar tanta irregularidade", protestou a vereadora Cátia Rodrigues