Política

Ministro do STF Luís Roberto Barroso defende voto em lista fechada de candidatos

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu, nesta quinta-feira (23) a proposta de que o voto se dê em lista fechada, com o eleitor votando na legenda e não em um candidato específico, nas eleições de 2018. [Leia mais...]

[Ministro do STF Luís Roberto Barroso defende voto em lista fechada de candidatos]
Foto : Carlos Humberto/ SCO/ STF

Por Laura Lorenzo no dia 23 de Março de 2017 ⋅ 17:05

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu, nesta quinta-feira (23) a proposta de que o voto se dê em lista fechada, com o eleitor votando na legenda e não em um candidato específico, nas eleições de 2018.

A proposta voltou a ser discutida no Congresso Nacional nesta semana, sendo defendida pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). A proposta prevê que, pelo sistema, o partido defina uma ordem de preferência de candidatos ao Legislativo e o eleitor vote na legenda.

Em seu pronunciamento, Barroso criticou o sistema atual, em que os deputados federais são eleitos de modo proporcional, mas o voto é nominal. No modelo vigente, o eleitor escolhe um candidato A, mas seu voto é contabilizado para a legenda e com isso, pode garantir indiretamente a eleição de outro candidato B, que recebeu poucos votos diretos.

“A vida demonstra que mais de 90% dos candidatos não são eleitos com votação própria. Portanto, o eleitor pensa que está elegendo quem ele quer, no entanto ele está elegendo quem ele não tem a menor ideia”, disse Barroso. Ainda de acordo com o ministro, pelo sistema de lista pré-ordenada, o eleitor pode analisar o "pacote completo". 

Notícias relacionadas

['Bolsonaro atira pelas costas nos seus soldados', diz Bebianno]
Política

'Bolsonaro atira pelas costas nos seus soldados', diz Bebianno

Por Juliana Rodrigues no dia 19 de Agosto de 2019 ⋅ 12:20 em Política

Em entrevista ao Estadão, ex-ministro também disse acreditar que indicação de Eduardo Bolsonaro como embaixador serve para atender a um "capricho" do filho do presidente