Política

Marcelo Odebrecht diz que Dilma e Lula sabiam de caixa 2; petistas negam

O empresário Marcelo Odebrecht, preso em 19 de junho de 2015 no âmbito da Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), afirmou em delação premiada que Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva sabiam de doações não contabilizadas da empreiteira para a campanha deles à Presidência da República. [Leia mais...]

[Marcelo Odebrecht diz que Dilma e Lula sabiam de caixa 2; petistas negam]
Foto : Reprodução

Por Yasmin Garrido no dia 14 de Abril de 2017 ⋅ 14:54

O empresário Marcelo Odebrecht, preso em 19 de junho de 2015 no âmbito da Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), afirmou em delação premiada que Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva sabiam de doações não contabilizadas da empreiteira para a campanha deles à Presidência da República.

Marcelo contou ainda que se encontrou com a petista em 2015, no México, e a alertou sobre os possíveis danos do caixa 2 à campanha, em razão das investigações da PF. \'Em 2015, tive consciência de todos os depósitos que tinham sido feitos, eu mostrei a ela a quantidade que poderia contaminar a campanha\', disse.

O empreiteiro também declarou que, \'no que tange à questão de caixa 2, tanto Lula quanto Dilma tinham conhecimento de um montante, não necessariamente do valor preciso, mas da dimensão de todo o nosso apoio ao longo dos anos\'.

A divulgação dos depoimentos de executivos da Odebrecht, prestados no fim de 2016, foi autorizada na última quarta-feira (12) pelo ministro Edson Fachin, relator dos processos da Lava Jato Supremo Tribunal Federal (STF). Em nota, a ex-presidenta Dilma Rousseff afirmou que Marcelo Odebrecht faltou com a verdade. Já o petista, durante entrevista à Rádio Metrópole, desafiou qualquer pessoa a provar que ele tenha recebido propina.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro tira Joice Hasselmann de liderança do governo ]
Política

Bolsonaro tira Joice Hasselmann de liderança do governo 

Por Alexandre Galvão no dia 17 de Outubro de 2019 ⋅ 14:15 em Política

Joice foi escolhida líder do governo em fevereiro, pela indicação dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP)