Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Governo aceita adiar votação de reforma da Previdência para maio

O governo federal aceitou, nesta quarta-feira (19), adiar por uma semana a votação da reforma da Previdência Social na comissão especial. [Leia mais...]

[Governo aceita adiar votação de reforma da Previdência para maio]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Por Laura Lorenzo no dia 19 de Abril de 2017 ⋅ 14:20

O governo federal aceitou, nesta quarta-feira (19), adiar por uma semana a votação da reforma da Previdência Social na comissão especial. Ficou acordado, após muita pressão da oposição, que o deputado Arthur Maia (PPS-BA), relator da reforma, fará a leitura do seu parecer final nesta quarta, mas a discussão do texto só será feita na semana que vem e a votação do relatório será realizada a partir do dia 2 de maio.

A reunião da comissão especial da reforma da Previdência na Câmara começou com mais de duas horas de atraso, sob protestos da oposição. Ainda cedo os deputados oposicionistas se inscreveram para apresentar requerimentos de obstrução ao andamento da reunião.

Mesmo assim, após a abertura da sessão, eles apresentaram uma proposta de acordo ao presidente da comissão, Carlos Marun (PMDB-MS), para que o relatório seja lido nesta quarta sem obstrução, desde que eles possam discuti-lo na próxima semana e votá-lo no início de maio. Marun anunciou, após suspensão de cinco minutos, que a base aliada acatou a sugestão.

O PSOL ainda aproveitou a sessão para entregar ao presidente da comissão um abaixo-assinado com 320 mil assinaturas contra a proposta.

Notícias relacionadas

[Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro]
Política

Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Janeiro de 2021 ⋅ 10:05 em Política

Em conversa com apoiadores, presidente ainda responsabilizou governo do Amazonas e prefeitura de Manaus pelo caos na saúde da capital: "Todo mundo me culpa. Tudo sou eu"