Política

Em vídeo, Temer comenta sobre nova denúncia e diz ser alvo de "ilações e provas forjadas"

Em vídeo publicado nas redes sociais nesta sexta-feira (22), o presidente Michel Temer comentou sobre a denúncia oferecida contra ele pela Procuradoria Geral da República, e afirmou que está sendo alvo "ilações e provas forjadas". No pronunciamento, Temer disse ainda que a acusação quer "paralisar" o Brasil e "desestabilizar" o seu governo.[Leia mais...]

[Em vídeo, Temer comenta sobre nova denúncia e diz ser alvo de
Foto : Adriano Machado/Reuters

Por Paloma Morais no dia 22 de Setembro de 2017 ⋅ 18:00

Em vídeo publicado nas redes sociais nesta sexta-feira (22), o presidente Michel Temer comentou sobre a denúncia oferecida contra ele pela Procuradoria Geral da República, e afirmou que está sendo alvo "ilações e provas forjadas". No pronunciamento, Temer disse ainda que a acusação quer "paralisar" o Brasil e "desestabilizar" o seu governo.

"Lançaram contra mim ilações, provas forjadas, denúncias ineptas produzidas em conluios com malfeitores. Mais recentemente, as mesmas mãos que tentaram tirar o país dos trilhos da recuperação e do crescimento voltam à carga. Repetem seu procedimento: vazam para a imprensa depoimentos mentirosos, sem base em fatos e nenhuma conexão com a verdade!, afirmou.

Temer ainda afirmou que os novos áudios encaminhados à PGR pelos delatores da J&F provaram que "armaram" contra ele. "Graças aos áudios que tentaram esconder, mas que vieram a público acidentalmente, sabe-se que, contra mim, armou-se conspiração de múltiplos propósitos. Conspiraram para deixar impunes os maiores criminosos confessos do Brasil, finalmente presos, porque sempre apontamos seus inúmeros delitos", disse.

O presidente finaliza o vídeo afirmando que tem "convicção de que os parlamentares submeterão essa última denúncia aos critérios técnicos e legais, e à verdade dos fatos".

Denúncia

O presidente foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) na semana passada sob a suspeita de ter praticado os crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. A denúncia só segue para análise do STF com a autorização da Câmara dos Deputados. São necessários os votos de pelo menos 2/3 dos deputados para que isso aconteça. A acusação dchegou à Câmara nesta quinta e a previsão é que a votação aconteça em outubro, conforme anunciou o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Confira vídeo:

 

 

Notícias relacionadas