Política

Após retirar pedido por salário de R$ 61 mil, ministra cancela agenda em Salvador

Após se envolver em uma polêmica nesta semana, quando pediu que tivesse o salário aumentado para R$ 61 mil, a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, era esperada na sede do Grupo de Apoio À Criança com Câncer (GACC), onde faria uma visita aos pacientes da instituição, localizada em São Marcos. No entanto, a visita não aconteceu. [Leia mais...]

[Após retirar pedido por salário de R$ 61 mil, ministra cancela agenda em Salvador]
Foto : Beto Barata/PR

Por Matheus Simoni no dia 03 de Novembro de 2017 ⋅ 16:08

Após se envolver em uma polêmica nesta semana, quando pediu que tivesse o salário aumentado para R$ 61 mil, a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, era esperada na sede do Grupo de Apoio À Criança com Câncer (GACC), onde faria uma visita nesta sexta-feira (3) aos pacientes da instituição, localizada em São Marcos. No entanto, a visita não aconteceu.

Conforme apurou o Metro1, a ministra não explicou ao GACC o motivo do cancelamento da visita e nem falou sobre uma nova data para a ida de Luislinda ao instituto. Luislinda cumpre agenda em uma série de eventos em Salvador e Região Metropolitana ao longo da próxima semana, mas ainda não confirmou se irá aos compromissos. 

Luislinda Valois tem previsão de retorno para Brasília na próxima sexta-feira (10), por volta das 13h, quando decola de Salvador utilizando um avião da Força Áerea Brasileira (FAB).

A ministra virou alvo de críticas após enviar um pedido ao governo para acumular o seu salário com o de desembargadora aposentada, o que lhe garantiria vencimento bruto de R$ 61,4 mil. Entre as justificativas, Luislinda havia afirmado que trabalhar sem receber contrapartida "se assemelha a trabalho escravo".

Depois da repercussão negativa, o ministério dos Direitos Humanos divulgou uma nota afirmando que foi formulado um requerimento de desistência e arquivamento da solicitação.

Leia mais:

>>>MK critica pedido de Luislinda Valois para ganhar R$ 61 mil: "Piada pronta"

>>> Após repercussão negativa, ministra que comparou sua função ao trabalho escravo recua de pedido para ganhar R$ 61 mil

Notícias relacionadas