Política

Defesa de Temer pede que Fachin pare investigação a peemedebistas: \"Inconveniente\"

A defesa do presidente Michel Temer sugeriu ao ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin volte atrás e desista da sua decisão de enviar ao juiz federal Sérgio Moro as investigações por organização criminosa contra os ex-deputados Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves, Geddel Vieira Lima e Rodrigo Rocha Loures, todos políticos do PMDB. [Leia mais...]

[Defesa de Temer pede que Fachin pare investigação a peemedebistas: \
Foto : Marcos Corrêa/PR

Por Laura Lorenzo no dia 09 de Novembro de 2017 ⋅ 15:36

A defesa do presidente Michel Temer sugeriu ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin que volte atrás e desista da sua decisão de enviar ao juiz federal Sérgio Moro as investigações por organização criminosa contra os ex-deputados Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves, Geddel Vieira Lima e Rodrigo Rocha Loures, todos políticos do PMDB.

Os ex-parlamentares listados pelo advogado de Temer foram denunciados, junto com ele e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Especial da Presidência), por supostamente fazerem parte de uma organização criminosa do PMDB na Câmara, com objetivo de arrecadar propinas de empresas em troca de favorecimentos ilegais em órgãos públicos. A acusação foi feita pelo ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Fachin havia decidido, depois da Câmara ter barrado a tramitação da denúncia contra Temer, Padilha e Moreira Franco, desmembrar o processo e enviar para a primeira instância as investigações contra os acusados sem foro privilegiado na Corte. A defesa de Temer, contudo, afirma que o desmembramento do processo é, no mínimo, inconveniente, pois a continuidade das investigações poderia atingir o presidente.

Notícias relacionadas

['Bolsonaro atira pelas costas nos seus soldados', diz Bebianno]
Política

'Bolsonaro atira pelas costas nos seus soldados', diz Bebianno

Por Juliana Rodrigues no dia 19 de Agosto de 2019 ⋅ 12:20 em Política

Em entrevista ao Estadão, ex-ministro também disse acreditar que indicação de Eduardo Bolsonaro como embaixador serve para atender a um "capricho" do filho do presidente