Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Delfim Netto nega irregularidade e diz que prestou serviço de consultoria

Por meio de seus advogados, o ex-ministro Antonio Delfim Netto negou as acusações de ter recebido valores indevidos por empresas envolvidas na construção da usina de Belo Monte, no Pará. [Leia mais...]

[Delfim Netto nega irregularidade e diz que prestou serviço de consultoria]
Foto : Reprodução / Youtube

Por Matheus Morais no dia 09 de Março de 2018 ⋅ 13:40

Por meio de seus advogados, o ex-ministro Antonio Delfim Netto, 89 anos, negou as acusações de ter recebido valores indevidos por empresas envolvidas na construção da usina de Belo Monte, no Pará. O economista foi alvo de buscas hoje na 49ª fase da Operação Lava Jato.

"O professor Delfim Netto não ocupa cargo público desde 2006 e não cometeu nenhum ato ilícito em qualquer tempo. Os valores que recebeu foram honorários por consultoria prestada", afirmaram os defensores Ricardo Tosto e Jorge Nerm, em nota.

Endereços ligados ao ex-ministro e a seu sobrinho Luiz Appolonio Neto foram alvos das buscas realizadas pela Polícia Federal nesta manhã. Delfim é suspeito de receber R$ 15 milhões em vantagens indevidas que seriam direcionadas aos partidos PMDB e PT, em razão de sua atuação na estruturação do consórcio.

As provas indicariam que o ex-ministro recebeu 10% do percentual pago pelas construtoras a título de vantagens indevidas, enquanto o restante da propina foi dividido entre o MDB e o PT, no patamar de 45% para cada partido.

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância, determinou o bloqueio de cerca de R$ 4,4 milhões das contas do economista.

Notícias relacionadas

[Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro]
Política

Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Janeiro de 2021 ⋅ 10:05 em Política

Em conversa com apoiadores, presidente ainda responsabilizou governo do Amazonas e prefeitura de Manaus pelo caos na saúde da capital: "Todo mundo me culpa. Tudo sou eu"