Política

‘STF foi o poder que mais faltou à República’, acusa Eliana Calmon

Ainda de acordo com a magistrada aposentada, a TV Justiça potencializou a exibição de vaidades dos membros do supremo. “Com a TV Justiça nós passamos a ver o s bastidores do STF, existem livros contando as vaidades, as desavenças internas, então, estamos numa fase ruim, onde estão pagando favores, colocando lá dentro favores ideológicos. as coisas estão desfilando aos nossos olhos”. [Leia mais...]

[‘STF foi o poder que mais faltou à República’, acusa Eliana Calmon]
Foto : Divulgação

Por Alexandre Galvão e Matheus Morais no dia 28 de Março de 2018 ⋅ 08:32

A ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça, Eliana Calmon, acusou o Supremo Tribunal Federal de ter “faltado” com a República. De acordo com a magistrada aposentada, o órgão sempre teve indicações políticas, mas abrigou nomes que souberam honrar a Corte.

“O STF sempre foi um orgão político, por isso as escolhas são políticas. O STF teve momentos de glórias com homens com independência, com pudor e respeito da população. Depois da Constituição de 88, o STF passou por um ativismo, a coisa passou a piorar, aí dizem que a culpa é dos nomes que escolheram. Mas eu cito o nome de homens como o ministro Ayres Brito, que era amigo de Lula e esqueceu tudo isso quando vestiu a toga. O ministro Joaquim Barbosa da mesma maneira”, lembrou, em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole.

Ainda de acordo com Eliana, a TV Justiça potencializou a exibição de vaidades dos membros do Supremo. “Nós passamos a ver os bastidores do STF. Existem livros contando as vaidades, as desavenças internas, então, estamos em uma fase ruim, onde estão pagando favores, colocando lá dentro favores ideológicos. As coisas estão desfilando aos nossos olhos”, apontou.

Notícias relacionadas

[Mesmo com ordem de repouso, Bolsonaro antecipa volta ao cargo]
Política

Mesmo com ordem de repouso, Bolsonaro antecipa volta ao cargo

Por Juliana Rodrigues no dia 17 de Setembro de 2019 ⋅ 07:40 em Política

Embora tenha dito estar bem, o presidente admitiu que só voltará "à atividade 100%" depois da viagem para os Estados Unidos, marcada para o dia 23 de setembro