Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

ʹHá movimento interno para salvar Lulaʹ, diz Calmon sobre Supremo

A decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de permitir a prisão do ex-presidente Lula (PT) somente após a conclusão do julgamento do habeas corpus foi comentada pela a ministra aposentada do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Eliana Calmon. [Leia mais...]

[ʹHá movimento interno para salvar Lulaʹ, diz Calmon sobre Supremo]
Foto : Reprodução/Agência Brasil

Por Gabriel Nascimento e Matheus Morais no dia 28 de Março de 2018 ⋅ 08:57

A decisão do Supremo Tribunal Federal de permitir a prisão do ex-presidente Lula (PT) somente após a conclusão do julgamento do habeas corpus foi comentada pela a ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça, Eliana Calmon. Em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole, a jurista criticou a Corte.

"Há um movimento interno para tentar salvar o caso Lula da Silva. A opinião pública tem um peso muito forte, mas não sei até que ponto. Aquelas 11 criaturas [ministros] são as mais poderosas do país. O perigo do Poder Judiciário é essa segurança dada a ele, que nos faz refém de pessoas que as vezes a gente não admira", declarou.

Para Calmon, a postura dos ministros na sessão que garantiu a liberdade do petista até o dia 4 de abril é descartável. "Depois do que eu ví no julgamento de quarta-feira (22)... Estou autorizada a pensar qualquer coisa. Primeiro ficou atrasando o julgamento, estava tudo caminhando para eles não julgarem. Depois veio o ministro Marco Aurélio dizer que ia se ausentar para comparecer a uma homenagem. Isso foi um tapa na cara", finalizou.

Notícias relacionadas

[Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro]
Política

Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Janeiro de 2021 ⋅ 10:05 em Política

Em conversa com apoiadores, presidente ainda responsabilizou governo do Amazonas e prefeitura de Manaus pelo caos na saúde da capital: "Todo mundo me culpa. Tudo sou eu"