Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Rosa Weber não é mais considerada voto certo contra prisão em 2ª instância

Magistrados tanto a favor quanto contrários à alteração fizeram uma releitura do voto da ministra no habeas corpus e entenderam que ela deu várias pistas de que pode votar para negar qualquer nova alteração na jurisprudência. [Leia mais...]

[Rosa Weber não é mais considerada voto certo contra prisão em 2ª instância]
Foto : José Cruz/ Agência Brasil

Por Clara Rellstab no dia 07 de Abril de 2018 ⋅ 10:30

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), já não é considerada voto certo pela mudança na regra que autoriza a prisão depois de condenação em segunda instância, o que poderia livrar, futuramente, o ex-presidente Lula (PT) do cárcere.

Segundo a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, magistrados tanto a favor quanto contrários à alteração fizeram uma releitura do voto da ministra no habeas corpus e entenderam que ela deu várias pistas de que pode votar para negar qualquer nova alteração na jurisprudência —ainda que já tenha se posicionado no passado contrária a ela.

A publicação afirma ainda que Weber disse, por exemplo, que a “imprevisibilidade” da Justiça poderia “degenerar o direito em arbítrio”. Afirmou que “a simples mudança de composição do tribunal” não constitui “fator suficiente para legitimar alteração da jurisprudência”.

Em outro trecho, acrescentou que a jurisprudência não deve ser modificada “ainda que os membros dos tribunais tenham mudado de opinião”, como ocorreu recentemente, por exemplo, com o ministro Gilmar Mendes.

Notícias relacionadas

[Base de Bolsonaro age para minar CPI no Senado]
Política

Base de Bolsonaro age para minar CPI no Senado

Por Augusto Romeo no dia 13 de Abril de 2021 ⋅ 08:40 em Política

Aliados do governo preparam ofensiva, e ala do STF tenta maioria para que comissão só precise ser instalada após fim da pandemia