Política

‘Quem quiser se basear na opinião pública, largue a toga, escolha um partido e seja candidato’, diz Lula

De acordo com o petista, que falou ininterruptamente durante 55 minutos, tanto o juiz federal Sérgio Moro, quanto os membros do Ministério Público Federal são responsáveis por antecipar a morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia, que faria 68 anos hoje, e foi homenageada em uma missa na sede da entidade. [Leia mais...]

[‘Quem quiser se basear na opinião pública, largue a toga, escolha um partido e seja candidato’, diz Lula]
Foto : Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

Por Clara Rellstab e Evilásio Júnior no dia 07 de Abril de 2018 ⋅ 13:24

O ex-presidente Lula atacou a imprensa e os integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato, durante discurso na tarde deste sábado (7), no Sindicato dosa Metalúrgicos, em São Bernardo do campo, no ABC Paulista.

“Não pense que eu sou contra a Lava-Jato não. Se pegar bandido, tem que pegar e prender. Todos nós sempre falamos isso: só prende pobre, não prende rico. Eu quero que prenda rico. Mas sabe qual é o problema? Você não pode fazer julgamento subordinado à imprensa porque, no fundo, você destrói as pessoas na sociedade, e aí o juiz vai julgar e fala que eu não posso ir contra a opinião pública. Quem quiser votar com base na opinião pública largue a toga, escolha um partido político e vá ser candidato. A toga é vitalícia, o cidadão tem que votar apenas baseado nos autos do processo”, acusou.

De acordo com o petista, que falou ininterruptamente durante 55 minutos, tanto o juiz federal Sérgio Moro, quanto os membros do Ministério Público Federal são responsáveis por antecipar a morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia, que faria 68 anos hoje, e foi homenageada em uma missa na sede da entidade.

“Talvez eu viva o momento de maior indignação que um ser humano vive, não é fácil o que sofre a minha família, os meus filhos. O que sofreu a Marisa e eu quero dizer que a antecipação da morte da Marisa foi a safadeza e sacanagem que a imprensa e o Ministério Público fizeram contra ela. Tenho certeza. Acho que essa gente não tem filho, alma e não tem noção do que sente uma mãe ou um pai massacrado, sendo atacado. Eu resolvi levantar a cabeça”, declarou.

Em relação direta a Moro, Lula disse não estar “acima da Justiça”, mas ponderou: “Se eu não acreditasse na justiça eu não tinha saído com partido político, tinha iniciado uma revolução nesse país. Eu acredito na justiça justa, que vota um processo baseado nos autos, nas acusações, na defesa, na prova concreta. O que eu não posso admitir é um procurador que fez um power point dizer que o PT é uma organização criminosa que nasceu para roubar o Brasil e o Lula, por ser a figura mais importante desse partido, ele é o chefe. Então, se ele é o chefe, eu não preciso de provas, tenho convicção. Eu quero que ele guarde a convicção dele para os comparsas dele e não para mim. Certamente um ladrão não estaria exigindo prova. Estaria de rabo preso com a língua fechada. Quanto mais eles me atacam, mais cresce a minha relação com o povo brasileiro. Eu não tenho medo deles – até já falei que gostaria de fazer um debate com o Moro sobre a denúncia que ele fez contra mim pra eu saber qual foi o crime que eu cometi nesse país”, atacou.

Ele listou uma série de conquistas atribuídas ao seu governo para dizer que “esse foi o crime que eu cometi e vou continuar sendo criminoso nesse país porque eu vou fazer muito mais”.

Notícias relacionadas