Política

57% são favoráveis à prisão após condenação em segunda instância, diz pesquisa

Uma pesquisa feita pelo instituto Datafolha e divulgada hoje pelo jornal Folha de S. Paulo, mostra que 57% dos entrevistados apoiam a prisão de réus após condenação em segunda instância. [Leia mais...]

[57% são favoráveis à prisão após condenação em segunda instância, diz pesquisa]
Foto : José Cruz/Agência Brasil

Por Matheus Morais no dia 17 de Abril de 2018 ⋅ 09:55

Uma pesquisa feita pelo instituto Datafolha, divulgada hoje (17) pelo jornal Folha de S. Paulo, mostra que 57% dos entrevistados apoiam a prisão de réus após condenação em segunda instância. Já 36% defendem o encarceramento após esgotados todos os recursos possíveis.

Seis por cento dos entrevistados não souberam responder. De acordo com o levantamento, o apoio ao entendimento da prisão a condenados em segunda instância é maior nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Entre pessoas que declararam o PT como partido de preferência, 57% são contrários à prisão após condenação em segunda instância, caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso no Paraná desde 7 de abril.

A pesquisa aponta, ainda, que caiu o número de pessoas que acreditam que a corrupção irá diminuir no país com a Operação Lava Jato: para 37% dos entrevistados a corrupção vai diminuir (no ano passado, em levantamento de setembro, eram 44%). Já 51% acreditam que a corrupção vai continuar na mesma proporção de sempre (44% na pesquisa anterior). Para 10%, a corrupção vai aumentar.

Eleitores que declaram o PSDB como partido de preferência são os que mais acreditam na influência da operação para diminuir a corrupção: 54% disseram concordar com a afirmação. O Datafolha ouviu 4.194 pessoas em 227 municípios entre os dias 11 e 13 deste mês. A pesquisa tem margem de erro de dois pontos porcentuais, para mais ou para menos.

Notícias relacionadas

[Doria diz que Bolsonaro precisa trabalhar mais e tuitar menos]
Política

Doria diz que Bolsonaro precisa trabalhar mais e tuitar menos

Por Juliana Rodrigues no dia 20 de Setembro de 2019 ⋅ 10:40 em Política

Nova provocação entre os potenciais adversários nas eleições presidenciais de 2022 acontece em meio ao anúncio de investimentos da montadora Toyota em São Paulo