Terça-feira, 28 de setembro de 2021

Política

MPF aciona dirigentes de ONG pelo prejuízo de R$ 1,4 mi em Ilhéus

Nas investigações, foi apurado que o objeto dos convênios, de combater a exploração sexual infantil, não foi executado e os recursos foram, quase que integralmente, desviados. [Leia mais...]

MPF aciona dirigentes de ONG pelo prejuízo de R$ 1,4 mi em Ilhéus

Foto: Divulgação

Por: Clara Rellstab no dia 24 de abril de 2018 às 20:00

O MPF (Ministério Público Federal) em Ilhéus, no sul da Bahia, ajuizou ação de improbidade contra Leda da Pureza Moreno e Josan Ney Rosário Gomes pelos crimes de peculato e uso de documento ideologicamente falso.

A presidente e o tesoureiro da ONG Associação do Núcleo da Mulher teriam desviado R$ 1,4 milhões por meio de dois termos de parceria celebrados, entre 2008 e 2011, com o Ministério do Turismo.

De acordo com a ação, as investigações tiveram início quando, após analisar as prestações de contas da ONG, o MTur constatou a ausência de documentação que comprovasse a regular aplicação dos recursos, além de diversas inconsistências que apontavam o desvio das verbas.

Nas investigações, foi apurado que o objeto dos convênios, de combater a exploração sexual infantil, não foi executado e as verbas foram, quase que integralmente, desviadas.

O MPF requer a condenação dos réus pelos crimes de peculato e de uso de documento ideologicamente falso, além do ressarcimento do prejuízo dos recursos públicos no valor de R$ 1,4 milhão.

MPF aciona dirigentes de ONG pelo prejuízo de R$ 1,4 mi em Ilhéus - Metro 1