Política

Dodge volta a pedir rescisão de delações de executivos da JBS

Segundo o Estadão, a manifestação, em resposta às alegações das defesas, era a última que faltava chegar ao ministro para que ele decida se valida ou não a rescisão não só dos dois acordos, como também daqueles de Joesley Batista e Ricardo Saud

[Dodge volta a pedir rescisão de delações de executivos da JBS]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Metro1 no dia 19 de Maio de 2018 ⋅ 19:30

Sob a argumentação de que a intensa colaboração não apaga atos de deslealdade e má fé, a PGR (Procuradoria-Geral da República) reforçou, ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, o pedido para que ele homologue a rescisão dos acordos de colaboração premiada de Wesley Batista e Francisco de Assis e Silva, do Grupo J&F.

Segundo o Estadão, a manifestação, em resposta às alegações das defesas, era a última que faltava chegar ao ministro para que ele decida se valida ou não a rescisão não só dos dois acordos, como também daqueles de Joesley Batista e Ricardo Saud.

O motivo pelo qual a PGR fez a rescisão unilateral do acordo de colaboração premiada, nos casos de Wesley e Francisco, foi a constatação de que os delatores não comunicaram participação de Marcello Miller na negociação dos acordos enquanto ainda era procurador da República.

Ela diz que os dois delatores, além de Joesley e Saud, podem ter cometido o crime de corrupção ativa. Raquel Dodge chega a afirmar que Joesley e Saud pagaram “vantagem indevida” a Marcello Miller para que ele praticasse atos de ofício a favor.

Notícias relacionadas

[Damares diz não ter dever de custear Memorial da Anistia]
Política

Damares diz não ter dever de custear Memorial da Anistia

Por Juliana Almirante no dia 16 de Setembro de 2019 ⋅ 07:26 em Política

“Um Memorial da Anistia seria algo como o Memorial do Esquecimento”, diz o texto enviado pelo ministério ao MPF, que questionou cancelamento de obra