Política

Prefeito diz que Rui mantém projeto de Centro de Convenções por ‘birra e vaidade’

Neto reafirmou que não falou sobre projeto com o governador e sugeriu: “Vamos pegar esse recurso e colocar em outras áreas” 

[Prefeito diz que Rui mantém projeto de Centro de Convenções por ‘birra e vaidade’]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Rodrigo Daniel Silva/Gabriel Nascimento no dia 25 de Setembro de 2018 ⋅ 09:20

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), disse, em entrevista à Rádio Metrópole, que o governador Rui Costa (PT) mantém a proposta de construir um Centro de Convenções estadual por “picuinha”. 

“Não tem porquê falar de um segundo centro. É birra, é vaidade. Quando eu cheguei na prefeitura, eu poderia ter ficado com o metrô, mas transferi. O interesse da cidade tem que falar mais alto. O metrô é um exemplo de uma atitude nossa clara de colocar o interesse da cidade em primeiro lugar. Não fiquei de picuinha. Se eu não tivesse passado, não teria. O Centro de Convenções, o estado deveria ter o mínimo de honestidade e reconhecer que a solução está dada, construída pela prefeitura. Vamos pegar esse recurso que o governo colocaria no Centro de Convenções e colocar em outras áreas. Sugestão nossa”, opinou.

Para ele, o chefe do Palácio de Ondina tem que ter “humildade”. "[Podia dizer] passamos quatro anos, não conseguimos resolver, fomos incompetentes… não precisa chegar a tanto. Basta reconhecer que a solução está dada", provocou.

Neto voltou a negar que tenha discutido com o petista, que alegou ter se reunido com ele várias vezes, uma proposta de construção do complexo.  “O governador nunca tratou comigo de nenhum projeto concreto de Centro de Convenções. Jamais. Se em algum momento ele citou, foi em uma conversa com vários outros assuntos, eu não lembro. Posso assegurar que não colocou nenhuma proposta concreta para prefeitura. Se muito, fez alguma citação que sequer me lembro”, ressaltou.

Segundo o prefeito, a construção do espaço municipal foi um “apelo do trade”. Ele ressaltou que não propôs erguer o empreendimento na campanha de 2016 para “não tirar proveito eleitoral”.

Notícias relacionadas