Política

Bolsonaro recusa 'protocolo ético' proposto por Haddad

Pelas redes sociais, o candidato do PSL demonstrou que não vai dar trégua ao petista

[Bolsonaro recusa 'protocolo ético' proposto por Haddad]
Foto : Ricardo Stuckert/PT/Fabio Rodrigues Pozzebom/AGBR

Por Matheus Simoni no dia 08 de Outubro de 2018 ⋅ 18:48

O candidato à Presidência da República Fernando Haddad (PT) afirmou hoje que vai convidar o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), adversário no segundo turno das eleições presidenciais, para assinar uma "carta de compromisso" que estabeleça um "protocolo ético" para a abordagem das campanhas presidenciais. 

Em entrevista coletiva concedida a jornalistas em um hotel no centro de Curitiba, após Haddad visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na sede da Polícia Federal, o petista decidiu propor uma força-tarefa contra a calúnia e a difamação anônima que acontecem nas redes sociais. "Vamos fazer esse esforço para que eles assinem uma carta de compromisso contra a calúnia e a difamação anônima que acontecem nas redes sociais, sobretudo o WhatsApp", disse o candidato do PT. 

Pelas próprias redes sociais, Bolsonaro rebateu a proposta do adversário e chamou Haddad de "canalha". "O pau mandado de corrupto me propôs assinar 'carta de compromisso contra mentiras na internet'. O mesmo que está inventando que vou aumentar imposto de renda pra pobre. É um canalha! Desde o início propomos isenção a quem ganha até R$ 5.000. O PT quer roubar até essa proposta", declarou.

Notícias relacionadas

[PSL pede entendimento de Bolsonaro com o partido]
Política

PSL pede entendimento de Bolsonaro com o partido

Por Metro1 no dia 15 de Outubro de 2019 ⋅ 18:44 em Política

Sigla destaca que é a única com 98% de votações favoráveis ao governo federal e que não compactua com eventuais desgastes

[PF montou em um dia operação contra Bivar]
Política

PF montou em um dia operação contra Bivar

Por Alexandre Galvão no dia 15 de Outubro de 2019 ⋅ 11:00 em Política

Além da casa de Bivar no Recife e da sede do partido, estão entre os alvos endereços de três ex-candidatas do PSL