Política

Coronel critica Bolsonaro e ironiza Marcelo Nilo: '[Ganhei] sem os votos dele'

Senador eleito avaliou que o capitão da reserva é uma "moda" que vai passar

[Coronel critica Bolsonaro e ironiza Marcelo Nilo: '[Ganhei] sem os votos dele']
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Rodrigo Daniel Silva/Alexandre Galvão no dia 19 de Outubro de 2018 ⋅ 08:51

O senador eleito e presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Angelo Coronel (PSD), criticou, em entrevista à Rádio Metrópole, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) e ironizou o deputado federal eleito Marcelo Nilo (PSB).

O socialista declarou que não apoiou Coronel na disputa pelo Senado porque não recebeu nenhum telefonema e confessou que "trabalhou muito" para derrotar o chefe da AL-BA.

"Quanto à situação de Marcelo, eu confesso que esqueci de ligar. Eu iria ficar preocupado se perdesse a eleição, [mas] deu pra chegar sem os votos dele. Quero pedir perdão por ter esquecido", ironizou.

Sobre Bolsonaro, Coronel avaliou que o capitão da reserva é uma "moda" que vai passar. O deputado defendeu a candidatura de Fernando Haddad (PT) com o argumento de que "precisamos de um governo federal aliado com a Bahia".

"Eu fiz questão de pesquisar a vida Bolsonaro. Quero fazer um desafio: apresentem qual foi o projeto que ele apresentou para resolver a segurança pública do Brasil? Não conheço. Não se pode hoje ficar dizendo que vai resolver. Ele, como parlamentar, não apresentou nenhum projeto. Poderia até dizer que apresentou e não foi aprovado, mas ele não apresentou. [...] Ele tem dois projetos aprovados. Um que isenta a compra de produtos de informática e outro que troca o nome de um remédio para pilula do câncer. Não tenho nada de ordem pessoal contra ele, mas temos que escolher um presidente que tenha algum conteúdo", pontuou.

Notícias relacionadas

[Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA]
Política

Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA

Por Juliana Almirante no dia 23 de Outubro de 2019 ⋅ 07:40 em Política

No entanto, o terceiro filho do presidente negou que a conquista da liderança do PSL na Câmara Federal tenha sido o fator determinante para a decisão