Política

Polícia Federal acusa Renan de corrupção após rastrear propina na Suíça

O relatório final da PF na investigação tem detalhes sobre a engenharia financeira montada para pagar propina ao MDB

[Polícia Federal acusa Renan de corrupção após rastrear propina na Suíça]
Foto : Jane de Araújo/Agência Senado

Por Matheus Simoni no dia 25 de Novembro de 2018 ⋅ 15:30

A Polícia Federal rastreou depósitos de US$ 3 milhões em contas bancárias na Suíça que seriam parte de um acerto de propina com políticos do MDB do Senado, entre eles o senador reeleito Renan Calheiros (AL). Segundo o jornal O Globo, o repasse foi depositado por lobistas em troca de contratos na Petrobras.

O relatório final da PF na investigação tem detalhes sobre a engenharia financeira montada para pagar propina ao MDB. Investigadores atribuem ao senador o crime de corrupção passiva. Procurado, Renan, que é postulante ao cargo de presidente da Casa, negou e disse que a acusação será rejeitada pela Justiça.

Membros da PF afirmam que a propina passou por duas contas na Suíça controladas pelo empresário brasileiro Walter Faria, dono do Grupo Petrópolis (da Itaipava), que por isso é acusado pela PF de lavagem de dinheiro. O relatório sigiloso, assinado pelo delegado Thiago Delabary, foi enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) em 6 de setembro. No dia 12, o ministro Edson Fachin encaminhou o material à Procuradoria-Geral da República (PGR), que está analisando se apresenta denúncia contra Calheiros e os demais investigados.

Notícias relacionadas