Política

Senador critica montagem de ministérios de Bolsonaro: 'Momento terrível'

'Um dos momentos mais ridículos da nossa história', declarou o emedebista

[Senador critica montagem de ministérios de Bolsonaro: 'Momento terrível']
Foto : Beto Barata/Agência Senado

Por Matheus Simoni no dia 12 de Dezembro de 2018 ⋅ 08:48

O senador Roberto Requião (MDB) fez uma análise sobre a montagem de ministérios do governo do futuro presidente Jair Bolsonaro (PSL). Em entrevista à Mário Kertész no Jornal da Bahia No Ar da Rádio Metrópole hoje (12), o parlamentar disse que os nomes indicados para as pastas são um pior que o outro. "Um dos momentos mais ridículos da nossa história, semelhante à eleição de Jânio e Collor. É um momento terrível, um ministro mais terrível que o outro. A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos subindo numa goiabeira conversando com Jesus. Coisas inacreditáveis", declarou o senador.

Ainda de acordo com Requião, há a expectativa de que o Poder Judiciário não permita que o governo pratique e execute atrocidades contra os brasileiros. "Não acredito que vão fazer o que querem. Temos um Judiciário de direita, mas não acredito na barbárie. Acho que vai haver uma resistência do país, não me conformo em ser pessimista com o Brasil, que vem aguentando o predomínio das elites há 500 anos", disse. 

Roberto Requião ainda criticou a participação do filósofo Olavo de Carvalho no governo federal. O escritor é um dos principais defensores e apoiadores de Bolsonaro. "Este sujeito propõe uma participação no govenro e Bolsonaro aceita tranquilamente Olavo de Carvalho. A Guerra Fria acabou, não há mais país comunista no mundo. O risco agora é entrar uma guerra geopolítica de interesses, que nem capitalistas são e sim subordinados aos interesses", afirmou. 

Notícias relacionadas

[PSL pede entendimento de Bolsonaro com o partido]
Política

PSL pede entendimento de Bolsonaro com o partido

Por Metro1 no dia 15 de Outubro de 2019 ⋅ 18:44 em Política

Sigla destaca que é a única com 98% de votações favoráveis ao governo federal e que não compactua com eventuais desgastes