Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Ministro usa bombons para explicar cortes em universidades

Em comparação com orçamento cortado, Abraham Weintraub diz que 3,5 chocolates entre 100 serão "segurados" para comer em setembro

[Ministro usa bombons para explicar cortes em universidades]
Foto : Reprodução

Por Juliana Almirante no dia 10 de Maio de 2019 ⋅ 06:49

Ao lado do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou bombons para explicar o corte do orçamento das universidades federais do país, anunciado no fim de abril.

Weintraub levou quatro caixas com 25 chocolates cada uma para representar o orçamento das instituições de ensino brasileiras.

"A gente está pedindo simplesmente que, 3 chocolatinhos, desses 100 chocolates, 3 chocolatinhos e meio... Deixa eu só cortar aqui, presidente. 3 chocolatinhos e meio. Esses 3 chocolatinhos e meio a gente não está falando para a pessoa que vai cortar. Não está cortado. Deixa para comer depois de setembro. É só isso que a gente tá pedindo. Isso é segurar um pouco", explicou, em transmissão ao vivo nas redes sociais. 

A declaração de Weintraub causou reações de usuários que consideraram que ele errou na porcentagem ao confundir 30% com 3%.

No entanto, a assessoria do Ministério da Educação enviou nota ao UOL explicando o raciocínio. O congelamento de 30% da verba das universidades se refere ao orçamento que pode ser congelado ou cortado - as chamadas verbas "não discricionárias", usadas para gastos com água e luz. Estas despesas são 13,8% do orçamento total das universidades - e é 30% deste valor que está bloqueado. Sendo assim, o valor bloqueado, portanto, equivale a 3,4% do orçamento total das universidades neste ano - que chega a R$ 49,6 bilhões. 

A pasta também discorda do uso do termo "corte" em relação ao orçamento das universidades e usa "contingenciamento".

Notícias relacionadas