Política

Ao atacar classe política, Bolsonaro 'continua como se tivesse no palanque', diz Paulo Azi

Para ele, a postura leva a uma reversão das expectativas dos parlamentares, que estavam mais otimistas depois da eleição

[Ao atacar classe política, Bolsonaro 'continua como se tivesse no palanque', diz Paulo Azi]
Foto : Divulgação/ Democratas

Por Juliana Almirante no dia 22 de Maio de 2019 ⋅ 09:33

O presidente do DEM na Bahia, deputado federal Paulo Azi afirmou, em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã de hoje (2), que o governo do presidente Jair Bolsonaro continua preso a um discurso de campanha, o que atrapalha a governabilidade e a relação com o Congresso Nacional.

"O que me parece é que o governo continua muito preso ao discurso de campanha. Infelizmente um discurso que contém certo radicalismo das suas propostas e da sua maneira de atuar. O governo e o presidente preso a esse discurso em que atacou muito a classe política, continua como se tivesse no palanque. E abriu efetivamente uma postura de afastamento e desgaste com o Congresso Nacional. Não se pode pensar em governar o País sem harmonia entre os poderes, sem passar a não dialogar e construir pautas conjuntas de interesse do país", declara.

Para ele, a postura leva a uma reversão das expectativas dos parlamentares, que estavam mais otimistas depois da eleição. "Eu pessoalmente lamento muito, porque o clima que eu sentia quando voltamos da nova legislatura era favoravel da cooperação com o governo", disse. 

Após Rodrigo Maia (DEM) deixar de receber o líder do governo, Major Vitor Hugo (PSL), Azi afirma que o correligionário do presidente Bolsonaro está ligado a grupos extremistas.

"Se existem deputados e políticos que tentam vender seu apoio em troca de benesses, o presidente ou quem fala pelo governo tem que dizer quem são e nao generalizar. Não podemos aceitar isso, como se todos que estao no Congresso eleitos pelo povo... Entao não podemos aceitar esse tipo de relação que afasta os poderes. Rodrigo Maia é o presidente da Câmara dos Deputados e deve satisfação à defesa da instituição", declarou o democrata.

Notícias relacionadas