Política

Sob ataques, DEM tenta deixar de ser visto como parte do Centrão

Legenda realiza hoje uma convenção nacional na qual defenderá a agenda econômica do governo, mas tentará se distanciar do bloco

[Sob ataques, DEM tenta deixar de ser visto como parte do Centrão]
Foto : José Cruz/Agência Brasil

Por Juliana Rodrigues no dia 30 de Maio de 2019 ⋅ 08:20

O DEM se movimenta para deixar de ser reconhecido como parte do Centrão. Segundo o Estadão, o partido realiza hoje (30), em Brasília, uma convenção nacional que defenderá a agenda econômica com foco nas reformas da Previdência e tributária, mas mantendo uma distância regulamentar do Centrão.

O bloco informal, que reúne partidos como DEM, PP, PL (ex-PR), PRB, MDB e Solidariedade e é formado por cerca de 230 dos 513 deputados, é classificado pelo presidente Jair Bolsonaro como representação da "velha política" e foi um dos alvos das manifestações pró-governo do último domingo (26).

A estratégia do DEM serve como uma reação ao desgaste cada vez maior da imagem de fisiologismo associado ao Centrão desde a época em que o então deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ), hoje preso, comandava o bloco na Câmara. Atualmente, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é visto como "articulador" do bloco.

Na segunda (27), em entrevista à Rádio Metrópole, o presidente nacional do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, saiu em defesa de Maia e afirmou que o partido não faz parte do bloco. "Houve exageros [nas manifestações] e uma das coisas que causam em mim tristeza, pela injustiça, é Rodrigo. Colocam Rodrigo como o cara do centrão. É bom ficar claro que o Democratas não participa do Centrão", afirmou.

Notícias relacionadas