Política

Ex-assessores de Carlos Bolsonaro não têm registro na Câmara do Rio

Segundo o Estadão, os ex-funcionários ligados a Fabrício Queiroz nunca emitiram crachá funcional ou registraram entrada como visitantes na Casa

[Ex-assessores de Carlos Bolsonaro não têm registro na Câmara do Rio]
Foto : Renan Olaz/CMRJ

Por Juliana Rodrigues no dia 03 de Junho de 2019 ⋅ 10:40

Os dois ex-funcionários ligados a Fabrício Queiroz que estavam empregados no gabinete do vereador carioca Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente Jair Bolsonaro, nunca emitiram crachá funcional ou registraram entrada como visitantes na Câmara Municipal do Rio de Janeiro. As informações são do Estadão.

Segundo o órgão, qualquer servidor da Casa precisa fazer uma das duas coisas para comprovar que tem frequência, mesmo exercendo funções externas - um deles estava lotado como motorista.

De acordo com documentos obtidos pelo jornal por meio da Lei de Acesso à Informação, Claudionor Gerbatim de Lima e Márcio da Silva Gerbatim, investigados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, passaram o período em que estavam lotados no gabinete de Carlos sem ter a presença atestada pelo sistema da Câmara.

Os dois ex-funcionários tiveram sigilos bancário e fiscal quebrados na investigação que apura um suposto esquema de lavagem de dinheiro e a devolução de parte do salário de servidores "fantasmas" no gabinete do hoje senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) entre 2007 e 2018. Claudionor e Márcio são, respectivamente, sobrinho da atual mulher de Fabrício Queiroz e ex-marido dela. Eles já estiveram lotados nos gabinetes de Flávio e Carlos.

Notícias relacionadas