Política

Lúcio Vieira Lima diz que após episódios das malas 'só foi abraçado' 

Lúcio disse ainda que, por óbvio, está triste com a situação do seu irmão, que segue preso na Papuda, em Brasília

[Lúcio Vieira Lima diz que após episódios das malas 'só foi abraçado' ]
Foto : Matheus Simoni / Metropress

Por Alexandre Galvão / Matheus Simoni no dia 04 de Junho de 2019 ⋅ 19:22

Ex-deputado federal e irmão de Geddel Vieira Lima, preso após a descoberta de malas com R$ 51 milhões, Lúcio Vieira Lima disse que não se escondeu após o episódio.
 
"Nesses episódios todos, enquanto uns estão embaixo da cama, eu vou em shoppings, sou abraçado e vou para todos os lugares", afirmou, em entrevista a José Eduardo, na Rádio Metrópole

Lúcio disse ainda que, por óbvio, está triste com a situação do seu irmão, que segue preso na Papuda, em Brasília. "Uma repórter me perguntou se eu estava triste. Eu disse: 'não, não estou não'. Claro que estou!", asseverou. 

Lúcio Vieira Lima lembrou ainda o episódio da eleição de 2018, quando tentaram tirar ele do MDB. “Todo mundo queria dar um chute no cachorro morto. Achavam que eu seria preso. Questionei de quem foi essa ideia que eu abriria mão do PMDB? Lá é minha casa. Quem não tem casa, vai para rua ou fica órfão. Lá eu tenho meus amigos. Perguntei ao prefeito se isso era da cabeça dele. O prefeito disse que não. Ele tirou mil quilos de minha costa. Na política um atribui a um e a outro e eu soube pelos jornais. Eu fui massacrado”, lembrou. 

Para o emedebista, a condução do processo foi feita de maneira equivocada. “Ninguém me traiu. Cada um tomou o rumo melhor para si. É natural que todo mundo pensasse em si próprio primeiramente. Discordo somente da condução. A imprensa não é o caminho de ser fazer política. Você usa para mandar recado, há uma separação”.

Notícias relacionadas

[Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA]
Política

Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA

Por Juliana Almirante no dia 23 de Outubro de 2019 ⋅ 07:40 em Política

No entanto, o terceiro filho do presidente negou que a conquista da liderança do PSL na Câmara Federal tenha sido o fator determinante para a decisão