Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Bancada do PSOL pede investigação de Bolsonaro no caso Marielle

Segundo o deputado Marcelo Freixo, também é preciso que sejam esclarecidas as declarações do porteiro do condomínio

[Bancada do PSOL pede investigação de Bolsonaro no caso Marielle]
Foto : Pablo Valadares / Câmara dos Deputados

Por Juliana Rodrigues no dia 30 de Outubro de 2019 ⋅ 11:00

Após a reportagem da Rede Globo, baseada nas investigações do caso Marielle Franco, que apontou possível associação entre o presidente Jair Bolsonaro e os acusados do crime, deputados do PSOL afirmaram que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, tem o dever de incluir no inquérito o nome do chefe do Executivo nacional. Segundo o jornal O Globo, a bancada do partido está solicitando uma audiência com Toffoli para tratar do assunto.

"Vamos exigir ao (Dias) Toffoli que não bloqueie a investigação. As investigações chegaram a um indício que existe. (Um dos suspeitos) vai na casa, foi uma hora antes da morte da Marielle. Então é preciso investigar. Ninguém que tem cargo público está acima de qualquer investigação, nem o presidente. O presidente deveria ser o primeiro a dizer que precisa ser investigado. O presidente deveria dar o exemplo. Não o fez ainda, então estamos aqui pedindo", disse o deputado federal Marcelo Freixo.

O parlamentar, que chegou a trabalhar no mesmo gabinete que Marielle, disse ainda que é preciso esclarecer as declarações do porteiro. O funcionário afirmou que "seu Jair" atendeu à ligação da portaria, mas o então deputado Bolsonaro registrou presença na Câmara, em Brasília, no dia relatado. "Os dados são muito fortes. Não tenho dúvida de que o Bolsonaro não estava lá. Não sei se o Carlos não estava. Alguém estava. A gente não pode dizer neste momento que alguém é culpado, mas também não pode dizer que não tem que ter investigação. O que se pede ao STF é que se permita a investigação. Até porque a investigação pode inocentar ou não. Mas tem que investigar", acrescentou Freixo.

Notícias relacionadas