Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Partidos reagem a declaração de Eduardo Bolsonaro sobre 'novo AI-5'

Representantes do PSDB e PT, além do PSOL, responderam com indignação à ameaça

[Partidos reagem a declaração de Eduardo Bolsonaro sobre 'novo AI-5']
Foto : Arquivo/Agência Brasil

Por Lara Curcino no dia 31 de Outubro de 2019 ⋅ 15:00

Representantes de partidos como PSDB e PT, além das próprias legendas, reagiram rapidamente à declaração do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) sugerindo um novo Ato Institucional Número 5 (AI-5) como retaliação caso a esquerda resolva fazer manifestações radicais como as que ocorrem no Chile. 

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse, no Twitter, que a frase do filho do presidente Jair Bolsonaro deve ter “providências” tomadas pelo Ministério Público e o Supremo Tribunal Federal (STF). 

“Em menos de uma semana, @BolsonaroSP volta a defender regime de exceção e ameaça a esquerda. MP/STF precisam tomar providências e não vamos nos intimidar, continuaremos denunciando o desmonte e abusos. A população precisa saber o que vocês estão fazendo”, escreveu ela. 

Já o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio, afirmou que a ameaça é um insulto à democracia. "É um comentário que afronta a democracia, agride o bom senso e que não ajuda em nada o país neste momento em que estabilidade política é essencial para avançarmos nas discussões que são importantes para o país”, disse ele. 

O PSOL, em seu perfil no Twitter, também comentou a declaração. “A ameaça feita por Eduardo Bolsonaro de "um novo AI-5" é um escândalo. Essa família não esconde mais: seu horizonte é a perseguição aberta a opositores, a violência institucional, assassinatos e torturas. Até quando vai ser tolerado? O PSOL vai tomar medidas contra esse absurdo”. 

O AI-5 é um decreto de 1968, durante a Ditadura Militar, que foi o responsável por fechar o Congresso Nacional, cassou mandatos, permitiu intervenção federal em estados e municípios, entre outros. É considerado o mais rígido dos atos institucionais.

Notícias relacionadas