Sábado, 04 de dezembro de 2021

Política

Em Congresso do PT, Lula defende polarização e rejeita equiparação a Bolsonaro

Ele diz que não seria o "outro lado da moeda" por ter um histórico de respeito à democracia

Em Congresso do PT, Lula defende polarização e rejeita equiparação a Bolsonaro

Foto: Ricardo Stuckert

Por: Juliana Almirante no dia 23 de novembro de 2019 às 10:00

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez um discurso ontem (23), no Congresso do PT em São Paulo, em que defendeu a polarização, mas fez questão de se diferenciar em relação seu opositor Jair Bolsonaro. Ele diz que não seria o "outro lado da moeda" por ter um histórico de respeito à democracia.

"Aos que criticam ou temem a polarização, temos que ter a coragem de dizer: nós somos, sim, o oposto de Bolsonaro. Não dá para ficar em cima do muro ou no meio do caminho: somos e seremos oposição a esse governo de extrema-direita que gera desemprego e exige que os desempregados paguem a conta", declarou o ex-presidente, de acordo com o UOL.

O petista também disse que "um pouco de radicalismo faz bem à alma". "Eu não estou mais radical, estou mais consciente", afirmou.

"Não fomos nós que falamos em fechar o Congresso, muito menos o Supremo, com um cabo e um soldado. Em nossos governos, as Forças Armadas foram respeitadas e os chefes militares respeitaram as instituições, cumprindo estritamente o papel que a Constituição lhes reserva. Nenhum general deu murro na mesa nem esbravejou contra líderes políticos", disse ainda o petista.

Para Lula, os governos do PT colocaram o Estado a serviço do combate à desigualdade e à proteção social, em oposição ao atual governo, que seria retrógrado, antidemocrático e defensor do desmonte do Estado.

O ex-presidente ainda disse que o PT deve buscar o apoio de trabalhadores informais ou com vínculos precarizados, a exemplo de motoristas de aplicativos e entregadores, em uma resposta à onda de flexibilização das regras trabalhistas no país.

Em Congresso do PT, Lula defende polarização e rejeita equiparação a Bolsonaro - Metro 1