Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Guedes sabe que errou ao falar em AI-5, diz Maia

Em discurso para empresários, presidente da Câmara ainda reprovou os incentivos à polarização do país, segundo a coluna Painel S.A., da Folha

[Guedes sabe que errou ao falar em AI-5, diz Maia]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Juliana Rodrigues no dia 29 de Novembro de 2019 ⋅ 09:40

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, sabe que cometeu um erro ao falar sobre uma possível reedição do AI-5.

"Frases que geram insegurança geram retração de decisões de investimento. Todo mundo sabe disso e acho que o Paulo também sabe. Ele sabe que acabou errando”, declarou, em entrevista à coluna Painel S.A., da Folha. Uma nova crítica à fala de Guedes foi feita por Maia durante discurso para uma plateia de empresários e investidores, no aniversário de dez anos do banco BR Partners, em São Paulo, ontem (28).

Questionado pela coluna se o empresariado evita reprovar publicamente a fala do ministro sobre o AI-5 por receio de comprometer a agenda liberal da equipe econômica, Maia disse que os investidores realmente se preocupam com relação ao tema. “Todos sabem que questões democráticas e ambientais são pressupostos fundamentais para investimento estrangeiro. Não vejo os grandes investidores do mundo pensando em investir na Venezuela. Não estou dizendo que o Paulo quer isso. Estou dizendo que o discurso, às vezes, gera insegurança”, disse.

No palco do evento, o presidente da Câmara ainda criticou o incentivo à polarização, vindo tanto do governo quanto do ex-presidente Lula, em sua avaliação. “Fico preocupado com o nosso governo e o ex-presidente estimulando mobilizações de rua. Está parecendo mais um interesse de construir uma guerra campal em vez de construir ambiente de disputas eleitorais futuras”, disse.

Notícias relacionadas