Política

Sem investigar, Comissão de Ética da Presidência arquiva caso Wajngarten

Secretário recebe, pela empresa FW Comunicação, dinheiro de TVs e agências de publicidade contratadas pelo órgão que comanda

[Sem investigar, Comissão de Ética da Presidência arquiva caso Wajngarten]
Foto : Alan Santos / PR

Por Luciana Freire no dia 18 de Fevereiro de 2020 ⋅ 15:40

A Comissão de Ética da Presidência decidiu hoje (18) não investigar o chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) do Planalto por suposto conflito de interesses. Fabio Wajngarten foi denunciado por ser sócio de uma empresa que recebe dinheiro de emissoras e agências com contato com a Secom.

O secretário recebe pela empresa FW Comunicação, da qual é sócio majoritário, dinheiro de TVs e agências de publicidade contratadas pelo próprio órgão que ele comanda, a Secom, e ministérios e estatais do governo Jair Bolsonaro.

A prática implica conflito de interesses e pode configurar ato de improbidade administrativa, se demonstrado benefício indevido. Entre as penalidades previstas está a demissão do agente público.

O arquivamento foi decidido por 4 votos a 2 em reunião do colegiado que terminou no início da tarde de hoje.

Em nota, a Secom classificou a decisão como “um marco na defesa do Secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten”.

Notícias relacionadas