Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Bolsonaro faz ameaça a ministro que não aceitar ceder cargos para Centrão

Dois sinais já haviam sido dados aos ministros: a demissão de Sérgio Moro do Ministério da Justiça e declarações sobre distribuição de cargos

[Bolsonaro faz ameaça a ministro que não aceitar ceder cargos para Centrão]
Foto : Marcos Corrêa/PR

Por Matheus Simoni no dia 02 de Maio de 2020 ⋅ 10:00

Em negociações com líderes partidários do chamado Centrão, o presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) reiterou nos últimos dias a possibilidade de demitir ministros que venham a resistir em ceder cargos de suas pastas ao grupo. A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo.

A conduta foi confirmada por integrantes do próprio governo ao periódico. Dois sinais já haviam sido dados aos ministros: a demissão de Sérgio Moro do Ministério da Justiça e a declarações sobre distribuição de cargos de segundo e terceiro escalão ao Centrão e que não aceitará recusas. Antes da saída do ex-juiz federal do governo, Bolsonaro havia deixado claro em reunião com todos os ministros que a prerrogativa de fazer nomeações na gestão federal era dele.

O bloco parlamentar reúne cerca de 200 dos 513 deputados e virou a esperança do presidente de, pela primeira vez, ter base de sustentação no Congresso. O Centrão conta com PP, PL, Republicanos, PTB e PSD —esse último nega fazer parte, mas integra oficialmente o bloco do centrão na Câmara, liderado pelo deputado Arthur Lira (PP-AL).

Notícias relacionadas

[Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro]
Política

Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Janeiro de 2021 ⋅ 10:05 em Política

Em conversa com apoiadores, presidente ainda responsabilizou governo do Amazonas e prefeitura de Manaus pelo caos na saúde da capital: "Todo mundo me culpa. Tudo sou eu"