Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Cargo anunciado para Regina Duarte na Cinemateca Brasileira não existe

Instituição passa por uma das piores crises de sua história e não recebe repasses do governo desde 2019

[Cargo anunciado para Regina Duarte na Cinemateca Brasileira não existe]
Foto : Reprodução/Google Street View

Por Metro1 no dia 21 de Maio de 2020 ⋅ 07:23

A saída de Regina Duarte da chefia da Secretaria de Cultura foi anunciada ontem (20), por meio do Twitter, pelo presidente Jair Bolsonaro. Em vídeo, os dois aparecem em clima cordial para informar que ela vai voltar para São Paulo, onde está a família, e passará a comandar a Cinemateca Brasileira.

Apesar disso, embora o governo tenha influência sobre as decisões da sala de cinemas, as indicações para os cargos na verdade seriam feitas pela organização que administra o local. Em março de 2018, o antigo Ministério da Cultura assinou uma parceria com o Ministério da Educação para que a instituição passasse a ser administrada integralmente pela Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp). As informações são da Folha.

O contrato foi firmado para um período de três anos, ou seja, até 2021. Em dezembro do ano passado, no entanto, o ministro Abraham Weintraub, do MEC, anunciou a suspensão do acordo original com a Acerp.

Além do imbróglio entre a Acerp e o governo, a instituição, criada há mais de 60 anos, vive uma das piores crises da sua história desde 2013. No último final de semana, pessoas ligadas à Cinemateca divulgaram uma carta em que afirmam que a sala de cinemas “não recebeu ainda nenhuma parcela do orçamento anual [em 2020], cujo montante é da ordem de R$ 12 milhões”.

Notícias relacionadas

[Base de Bolsonaro age para minar CPI no Senado]
Política

Base de Bolsonaro age para minar CPI no Senado

Por Augusto Romeo no dia 13 de Abril de 2021 ⋅ 08:40 em Política

Aliados do governo preparam ofensiva, e ala do STF tenta maioria para que comissão só precise ser instalada após fim da pandemia