Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Bolsonaro diz que Forças Armadas não aceitarão julgamento político para tirar presidente eleito

Chefe do Executivo diz que processo no TSE que pode cassar chapa presidencial é 'começar a esticar a corda'

[Bolsonaro diz que Forças Armadas não aceitarão julgamento político para tirar presidente eleito]
Foto : Isac Nóbrega/PR

Por Matheus Simoni no dia 16 de Junho de 2020 ⋅ 07:28

O presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) afirmou que Forças Armadas não aceitarão “um julgamento político para destituir um presidente democraticamente eleito”, comentando o mesmo tema da nota divulgada pelo Planalto na semana passada. Ainda segundo o chefe do Executivo, a análise pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de um processo que pode levar à cassação da chapa presidencial é "começar a esticar a corda".

"Nós, militares das Forças Armadas, e eu também sou militar, somos os verdadeiros responsáveis pela democracia em nosso país”, disse Bolsonaro, em entrevista à rádio e TV BandNews. "Nós jamais cumpriríamos ordens absurdas, mas também jamais aceitaríamos um julgamento político para destituir um presidente democraticamente eleito", acrescentou o presidente.

Na sexta-feira (12) da semana passada, em nota divulgada pelo governo —que foi assinada também pelo vice-presidente Hamilton Mourão e pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo—, sobre o julgamento das primeiras duas ações contra a chapa Bolsonaro-Mourão, vitoriosa nas eleições de 2018. "Me julgar por uma página que ficou fora do ar por menos de 24 horas para cassar a chapa Bolsonaro-Mourão? É inadmissível isso aí. Isso, no meu entender, é começar a esticar a corda. É começar a alimentar uma crise que não existe da nossa parte. Como vou dar golpe se já sou presidente da República?", indagou Bolsonaro. 

Ainda na entrevista, o presidente minimizou um risco de intervenção militar e que é "digno de pena" que alguém levante uma faixa em um protesto a favor da reedição de um AI-5. Segundo ele, o Supremo Tribunal Federal (STF) não precisava ter delimitado a interpretação sobre a atuação das Forças Armadas. "Não existe intervenção militar. O artigo 142 nem precisava o ministro Luiz Fux, monocraticamente, atender a um pedido do PDT", afirmou. "Como se o nosso alto comando das Forças Armadas fosse formado por pessoas que não soubessem qual o seu papel em uma democracia", acrescentou o presidente.

Notícias relacionadas