Política

Policiais Federais rejeitam divisão do Ministério da Justiça e Segurança

Pesquisa realizada entre os sindicalizados revela que maioria não vê benefícios nem para a segurança e nem para a corporação

[Policiais Federais rejeitam divisão do Ministério da Justiça e Segurança]
Foto : Tânia Rêgo/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 24 de Junho de 2020 ⋅ 14:00

Mais da metade dos policiais federais são contrários à divisão do Ministério da Justiça e Segurança Pública, possibilidade ventilada pelo governo federal nos últimos meses. A rejeição foi apontada em pesquisa realizada pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) entre os últimos dias 10 e 22 de março através de e-mail aos associados. 

Os policiais acreditam que os custos seriam altos demais e que a mudança não seria suficiente para reduzir os índices de criminalidade. Também não creem que a cisão fosse facilitar a construção da Lei Orgânica da Polícia Federal, emperrada há mais de trinta anos no Congresso Nacional. Também há duvidam que os problemas da categoria fossem diminuir caso surgisse uma nova Pasta na Esplanada. Porém, se o Ministério for mesmo dividido, a categoria espera que, ao menos, a Polícia Federal fique sob o guarda-chuva da Justiça e não da Segurança Pública.

Ao todo, 57,52% do total de votantes se manifestaram contrários à divisão da Pasta e 61,65% acreditam que os custos e as dificuldades de logística para a implementação do Ministério da Segurança Pública não compensariam. Outros 61,87% acham que o eventual novo ministério não ajudaria a resolver nem os problemas da categoria nem reduziriam os índices de criminalidade.

Sobre se a proposta seria útil para desemperrar a tramitação da Lei Orgânica da Polícia Federal, que está há mais de trinta anos no Congresso Nacional, 56,20% dos votantes duvidam que uma pasta a mais na Esplanada possa contribuir de alguma forma.Porém, se a ideia de retomar a formatação de governos anteriores vingar, os Policiais Federais preferem ficar sob o guarda-chuva do Ministério da Justiça. Essa é a alternativa apontada por 60,78% dos votantes.

Notícias relacionadas