Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sábado, 20 de abril de 2024

Home

/

Notícias

/

Rádio Metropole

/

“Precisamos pensar o que fazer para dar conta desse crescimento”, diz Bruno Monteiro sobre superlotação no Carnaval

Rádio Metropole

“Precisamos pensar o que fazer para dar conta desse crescimento”, diz Bruno Monteiro sobre superlotação no Carnaval

Em entrevista à Rádio Metropole nesta quinta-feira (15), o secretário de Cultura da Bahia falou sobre a necessidade de buscar soluções para desafogar o circuito Barra-Ondina

“Precisamos pensar o que fazer para dar conta desse crescimento”, diz Bruno Monteiro sobre superlotação no Carnaval

Foto: Metropress/Fernanda Vilas Boas

Por: Metro1 no dia 15 de fevereiro de 2024 às 09:05

Com 11 milhões de pessoas nas ruas durante os seus sete dias, o Carnaval de Salvador chegou ao fim e deixou algumas cenas emblemáticas relacionadas à superlotação dos circuitos. Uma delas foi um desabafo da cantora Ivete Sangalo que parou sua apresentação para ajudar as pessoas a se locomoverem no circuito Dodô. Um outro episódio foi de Baco Exu do Blues ameaçando abandonar o palco onde se apresentou no Pelourinho por conta da saturação do espaço. Em entrevista à Rádio Metropole nesta quinta-feira (15), o secretário de Cultura da Bahia, Bruno Monteiro, falou sobre o movimento do Carnaval de Salvador e a necessidade de buscar soluções para desafogar o circuito Barra-Ondina.

“Ficou evidente essa movimentação que chegou a exaurir alguns dos circuitos em vários momentos, dado a grande quantidade de pessoas. Foram 11 milhões de pessoas nas ruas, não é pouca coisa, é quase a população da Bahia toda [15 milhões] concentrada nas ruas de Salvador ao longo de sete dias”, afirmou.

Para o secretário, é preciso repensar os circuitos, pois esse movimento de crescimento do Carnaval soteropolitano não deve cessar. Mas, sobre a possibilidade de um novo espaço na Boca do Rio, o secretário revelou que, mesmo sendo algo que já circula há um tempo na imprensa, ele “nunca viu nenhum estudo com essa proposta”. 

“No ano passado, saímos com o desafio, e eu assumir isso publicamente, que era repensar o circuito Osmar [Campo Grande-Avenida], que estava subutilizado, gerando um grande congestionamento de trios e de pessoas no circuito Dodô [Barra-Ondina]. Nós puxamos esse debate e fizemos nossa parte, levando mais atrações pipocas para o Campo Grande e valorizando mais os blocos afros, que realizam prioritariamente seus desfiles Campo Grande e houve um crescimento grande de público nesse circuito. Porém, isso não significou um desafogamento do circuito Barra-Ondina, que continuou saturado”, disse.

“Queremos dialogar, puxar discussão sobre quais as soluções. O governador, ontem (14) na coletiva, disse que ninguém quer fechar circuito, queremos mais circuitos, possibilidades. Mas nós não temos arrogância de querer decidir as coisas e dizer como vai ser”, complementou.

Confira a entrevista na íntegra: