Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Saúde

Após AstraZeneca, Pfizer também recusa venda para empresas brasileiras

Compra por parte da iniciativa privada foi autorizada pelo governo federal, segundo anúncio feito por Bolsonaro ontem (26)

[Após AstraZeneca, Pfizer também recusa venda para empresas brasileiras]
Foto : Reprodução

Por Adele Robichez no dia 27 de Janeiro de 2021 ⋅ 06:57

A farmacêutica Pfizer também recusou a venda de vacinas à empresas do Brasil. Anteriormente, a AstraZeneca já havia negado a possibilidade de comercializar as doses, por enquanto. A compra por parte da iniciativa privada foi autorizada pelo governo do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido).

A fabricante, como já tinha dito antes, negocia apenas com a gestão de países. A nota divulgada pela empresa retificou a informação e disse acreditar que a vacina "é um bem que deve ser oferecido à população em geral". "Estamos comprometidos a trabalhar em colaboração com os governos em todo o mundo para que a vacina seja uma opção na luta contra a pandemia, como parte dos programas nacionais de imunização", disse.

Segundo a Pfizer, ainda estão em curso negociações com a administração brasileira para o fornecimento do imunizante contra a Covid-19 ao Brasil.

Bolsonaro afirmou ontem (26) que o governo federal autorizou a compra de 33 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca por empresas privadas brasileiras, com a justificativa da garantia da continuação do funcionamento da economia do país. O acordo feito garantiria que a metade dos imunizantes sejam doados ao Sistema Único de Saúde (SUS).

A farmacêutica responsável pela produção da vacina, a AstraZeneca, porém, afirmou que não tem disponibilidade, por enquanto, para vender doses ao setor privado. "No momento, todas as doses da vacina estão disponíveis por meio de acordos firmados com governos e organizações multilaterais ao redor do mundo, incluindo da Covax Facility [da OMS], não sendo possível disponibilizar vacinas para o mercado privado", comunicou.

Notícias relacionadas