METROPOLE

Quinta-feira, 13 de maio de 2021

Saúde

Mensagens no WhatsApp mostram que governo priorizou cloroquina a vacinas

Reportagem da Reuters mostra que o Ministério da Saúde não se movimentou em relação à negociação dos imunizantes durante a pandemia

Mensagens no WhatsApp mostram que governo priorizou cloroquina a vacinas

Foto: Reprodução

Por: Adele Robichez no dia 27 de janeiro de 2021 às 11:31

Uma reportagem da Reuters, que obteve acesso a mensagens do aplicativo WhatsApp do Ministério da Saúde, mostra que a pasta não se movimentou em relação à negociação dos imunizantes durante a pandemia, enquanto os outros países do mundo se apressavam para garantir logo as doses. A matéria diz que "o Brasil perdeu a chance de obter vacinas contra a Covid-19", enquanto os militares bolsonaristas se preocupavam apenas com a distribuição da cloroquina, medicamento sem eficácia comprovada contra o coronavírus.

Mensagens frequentes contra a vacina e a favor do medicamento ineficaz foram escritas no grupo. Em 12 de junho, o secretário-executivo da Saúde, Elcio Franco, mandou um texto sobre a vacina da Oxford/AstraZeneca com a pergunta, em seguida, "quem quer ser cobaia?". Três dias depois, ele mandou a seguinte mensagem: "a taxa de mortes está caindo drasticamente devido ao procolo de Bolsonaro. A cloroquina está revertendo a situação".

Em agosto do ano passado, o ministério perdeu a oportunidade de receber 70 mil doses da vacina da Pfzier/BioNTech e as 100 milhões de doses da vacina da Oxford, que seria o único plano do governo federal, não puderam ser fabricadas por conta de inúmeros atrasos.

A Coronavac, com 10,8 milhões de doses, utilizada na vacinação do Brasil, que começou de forma tardia, no dia 17 deste mês, junto com 2 milhões de doses da vacina de Oxford mandadas pela Índia no dia 22, foram as únicas conseguidas por enquanto para uma população de aproximadamente 210 milhões de pessoas.

TV METRO

Comentários

Silvio Humberto

Em 13 de maio de 2021
ASSINE O CANALMETROPOLE NO YOUTUBE
Mensagens no WhatsApp mostram que governo priorizou cloroquina a vacinas - Metro 1