Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Saúde

'Lockdown é um remédio amargo, mas eficaz', diz diretor do Hospital Aliança

'Restrição social é uma responsabilidade de cada um, é uma questão de cidadania', acrescentou Paraná

['Lockdown é um remédio amargo, mas eficaz', diz diretor do Hospital Aliança]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Matheus Simoni no dia 04 de Março de 2021 ⋅ 09:26

 O diretor médico do Hospital Aliança, Raymundo Paraná, avaliou a necessidade de se adotar um fechamento total das atividades em meio ao pré-colapso do sistema de saúde da Bahia durante a pandemia de coronavírus. Em entrevista a José Eduardo na Rádio Metrópole hoje (4), ele comentou que a medida não garante um controle da pandemia, mas é eficaz para evitar uma saturação de leitos de UTI nas unidades de saúde.

"Lockdown é um remédio amargo, mas é um remédio eficaz, não para controlar a pandemia, mas para evitar o colapso que pode se falar. As pessoas confundem e ouço falar argumentos absolutamente insustentáveis de que a França e a Inglaterra fizeram lockdown e estão lá com a pandemia. Não é isso. Lockdown é um gatilho acionado quando a taxa de ocupação hospitalar coloca em vulnerabilidade o acesso do paciente ao sistema de saúde. Nesse caso, o lockdown se faz necssário porque ele não vai controlar a doença, mas vai diminuir a pressão sobre os hospitais", disse o médico.

"O número de pacientes novos que vão chegar nos próximos 15 dias vai cair e permitir que os hospitais respirem. A restrição social é uma responsabilidade de cada um, é uma questão de cidadania", acrescentou Paraná. 

Notícias relacionadas