Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Saúde

Pazuello, governadores e Congresso articulam ação nacional de enfrentamento à Covid-19 sem Bolsonaro

Articulação é feita nos bastidores, para não revoltar o presidente

[Pazuello, governadores e Congresso articulam ação nacional de enfrentamento à Covid-19 sem Bolsonaro]
Foto : Waldemir Barreto/Agência Senado

Por Adele Robichez no dia 08 de Março de 2021 ⋅ 09:00

Por conta da omissão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no enfrentamento da pandemia da Covid-19 no Brasil, o Congresso, junto com governadores e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, articulam uma ação nacional de combate à doença. Ela é feita nos bastidores, para não revoltar o presidente. A informação é do Painel, da Folha de S. Paulo.

Segundo a coluna, a ação acontece porque os governadores precisam de apoio durante o pico da pandemia e a polarização deles com Bolsonaro impossibilita que medidas em conjunto sejam tomadas. Por isso, o Legislativo pretende tomar a frente. Aliados dos presidentes da Câmara e do Congresso, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), tratam o assunto como uma união entre os poderes.

Lira, junto com os dirigentes estaduais, querem coordenar a atuação do ministério da Saúde, fugindo do negacionismo que afunda cada vez mais o país em uma crise sanitária sem precedentes. O Supremo Tribunal Federal (STF) foi procurado para da apoio à iniciativa, que ainda deve contar com secretários de Saúde, parlamentares, especialistas e médicos.

O comitê quer comandar a fabricação e compra de vacinas, a oferta de leitos de UTI e de equipamentos suficientes para hospitais e a adoção de medidas de restrição para frear a transmissão do vírus. Pazuello pediu ajuda aos governadores após o Brasil registrar recordes seguidos de casos e mortes pelo coronavírus nas últimas semanas e estar sendo investigado por negligenciar o combate à pandemia. Durante quase dez meses, ele obedeceu a todas as diretrizes negacionistas do presidente.

Notícias relacionadas