Quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Saúde

Sem relacionar óbito à vacina, ministério diz que morte de adolescente foi por púrpura trombótica

Marcelo Queiroga afirma que suspensão da imunização para adolescentes de 12 a 17 anos segue em vigor por questão de prioridade e logística

 Sem relacionar óbito à vacina, ministério diz que morte de adolescente foi por púrpura trombótica

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por: Metro1 no dia 20 de setembro de 2021 às 10:24

O Ministério da Saúde concluiu a investigação sobre o caso de uma adolescente de 16 anos que morreu sete dias depois de receber a vacina da Pfizer contra a Covid-19. A informação é da colunista Mônica bergamo, do jornal Folha de S. Paulo.

Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o relatório afirma que a jovem, que morava em São Bernardo do Campo (SP), teve púrpura trombocitopênica trombótica, um distúrbio autoimune de consequências graves, que leva à formação de coágulos pelo corpo. Eles bloqueiam o fluxo de sangue para órgãos vitais.

Ela morreu no dia 2 deste mês.

Queiroga afirmou à coluna que o relatório, que ainda será divulgado, não diz que a morte tem relação com a vacina. "Não dá para estabelecer uma vinculação", afirma ele. "Mas também não dá para descartar", segue o ministro.

"Apenas não temos hoje casos como este descritos na literatura médica. Não sabemos se será um caso único ou se outros podem aparecer", afirma.

De acordo com a publicação da Folha, o ministro afirma que "mesmo que o caso estivesse vinculado ao imunizante, isso não invalidaria a vacinação [desta faixa etária]. Os benefícios dela são infinitamente maiores do que os riscos".

O Brasil já vacinou 3,5 milhões de adolescentes entre 12 e 17 anos. Este e o único evento adverso grave conhecido.

A conclusão do caso, no entanto, não deve fazer o ministério voltar a indicar a vacinação de adolescentes de forma imediata.

O ministro afirma que talvez seja necessário segurar o freio por uma questão de "priorização e logística".

Ele afirma que jamais os adolescentes sem comorbidades poderiam ser vacinados antes de se completar a segunda dose na população adulta e a terceira dose em idosos e vulneráveis.

"Esse grupo deveria ser vacinado lá para a frente. Os gestores não podem desobedecer o planejamento do Plano Nacional de Imunização (PNI), pois com isso estão retirando o direito dos que vêm antes deles", diz Queiroga.

Sem relacionar óbito à vacina, ministério diz que morte de adolescente foi por púrpura trombótica - Metro 1