Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sexta-feira, 24 de maio de 2024

Home

/

Notícias

/

Saúde

/

Mortalidade infantil entre indígenas é mais que o dobro das crianças não indígenas

Saúde

Mortalidade infantil entre indígenas é mais que o dobro das crianças não indígenas

Em 2022, para cada mil nascidos vivos entre os indígenas, 34,7 crianças com até quatros anos morreram

Mortalidade infantil entre indígenas é mais que o dobro das crianças não indígenas

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Por: Metro1 no dia 11 de abril de 2024 às 09:14

Atualizado: no dia 11 de abril de 2024 às 10:53

A taxa de mortalidade das crianças de até quatro anos indígenas no Brasil é mais que o dobro daquela registrada entre o restante da população infantil do país. Os números foram revelados pelo relatório do estudo produzido pelo Núcleo Ciência Pela Infância (NCPI), divulgado nesta quarta-feira (10).

Os dados foram coletados entre os anos de 2018 e 2022. No último ano dessa série, para cada mil nascidos vivos entre os indígenas, 34,7 crianças com até quatros anos morreram. É uma taxa 2,44 vezes maior do que a registrada entre o restante da população brasileira. Considerando as crianças não indígenas, houve 14,2 mortes para cada mil nascidos vivos em 2022.

O cenário é inadequado levando em conta as metas fixadas pela Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), que tem como meta reduzir a mortalidade infantil para menos de 25 mortos por mil nascidos vivos. 

Quando é feito o recorte pelas mortes neonatais, também se observa uma diferença significativa. Entre os indígenas, 12,4 bebês com até 27 dias morreram a cada mil nascidos vivos no ano de 2022. Essa taxa foi de 8 entre o restante da população.

De acordo com o Censo Demográfico 2022, há quase 1,7 milhão de indígenas no país. A região Norte, onde há maior concentração, reúne 45% desse contingente.