Saúde

Coronavírus: Roberto Badaró não vê risco ‘muito grande’ para carnaval, mas alerta para cuidados

Infectologista ainda indica os cuidados que devem ser tomados pelas autoridades de saúde nas regiões de fronteiras e alfândegas, por exemplo.

[Coronavírus: Roberto Badaró não vê risco ‘muito grande’ para carnaval, mas alerta para cuidados]
Foto : Matheus Simoni/Metropress

Por Juliana Almirante no dia 11 de Fevereiro de 2020 ⋅ 08:55

O infectologista e pesquisador-chefe do Instituto de Tecnologia em Saúde do Senai-Cimatec Roberto Badaró disse, em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã de hoje (11), que avalia que o coronavírus não deve representar um risco muito grande para o carnaval. No entanto, alerta para cuidados individuais de higiene que devem ser tomados, como o uso de álcool em gel. 

Ele lembra que na América do Sul, no Brasil e na Bahia, ainda não há casos registrados da doença. 

“Para o nosso carnaval, não é muito hábito do chinês vir pular carnaval aqui. Eu não vejo um risco muito grande. O que eu vejo é que as pessoas têm que adotar medidas individuais, como lavar as mãos e evitar os aglomerados, onde as pessoas estejam com algum sintoma de gripe. Carnaval é uma festa onde a comunicação entre as pessoas se faz com intimidade grande e é preciso que as pessoas vejam como vão se comportar. É muito mais uma atitude individual do que coletiva”, disse.

Badaró afirma ainda indica os cuidados que devem ser tomados pelas autoridades de saúde nas regiões de fronteiras e alfândegas, por exemplo.

"Os portos de entrada é que são mais críticos. Então, se vem um navio ou avião – e aqui não é porto de entrada da maioria dos aviões que vem da Ásia -, as medidas de controle e investigação tem que ser feitas. As pessoas que vierem de local com incidência alta devem ser quarentenizadas. Essa é uma recomendação”, explica. 

Notícias relacionadas