Saúde

Pneumologista da Fiocruz diz que mortes por coronavírus estão sem diagnóstico na rede pública

'Não sabemos qual o grau de sequela que os sobreviventes podem ter', afirma a profissional de saúde

[Pneumologista da Fiocruz diz que mortes por coronavírus estão sem diagnóstico na rede pública]
Foto : Anselmo Cunha/PMPA

Por Matheus Simoni no dia 27 de Março de 2020 ⋅ 11:20

Uma das pneumologistas mais experientes do país, Margareth Dalcolmo, da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Fiocruz, avalia o risco de o Brasil não fazer o isolamento social necessário e a Covid-19 explodir descontroladamente nas comunidades carentes. Até a manhã de hoje (27), o país registrou 3.027 casos da doença e 77 mortos.

Na avaliação da profissional de saúde, em entrevista ao jornal O Globo, sequelas graves do coronavírus podem ser ser incuráveis em sobreviventes. "Como é uma doença nova, não há estudos com um grande número de pacientes, que mostrem as sequelas mais frequentes, os danos que elas causam. Não sabemos qual o grau de sequela que os sobreviventes podem ter. E se as sequelas que vemos agora serão permanentes ou superadas. Não sabemos como ficarão os pulmões desses pacientes. Se as cicatrizes causadas pela Covid-19 ficarão e que tipo de perda de função poderão provocar", disse. 

Ainda segundo Dalcolmo, a média de idade dos pacientes mais graves não chega aos sexagenários. De acordo com a Fiocruz, no Brasil, a média chega ao índice entre 47 e 50 anos. Ao jornal, a pneumologista aponta que estão ocorrendo mortes nas redes públicas sem o diagnóstico da doença. "São pessoas de classe média e alta, internadas na rede particular. E aqui ainda nem sabemos bem o que está acontecendo porque existe uma lacuna entre os números oficiais e o que acontece nos hospitais. Não temo em dizer que estão ocorrendo mortes por Covid-19 sem diagnóstico na rede pública. [...] Porque sépsis e doenças pulmonares são muito comuns e não há testes para toda a rede", declarou a médica. 

Notícias relacionadas