Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Terça-feira, 28 de maio de 2024

Home

/

Artigos

/

City da Shopee: foi pra isso que venderam o Bahia?

City da Shopee: foi pra isso que venderam o Bahia?

Lutar para não ser rebaixado e perder o Baianão a gente já fazia com o orçamento tradicional

City da Shopee: foi pra isso que venderam o Bahia?

Foto: Reprodução

Por: James Martins no dia 11 de abril de 2024 às 00:47

Eu tinha me prometido não falar em futebol tão cedo. Até por não estar acompanhando assim tão de perto. Mas, não resisto. Serei, no entanto, bem objetivo: foi pra isso mesmo que venderam o Bahia? Em maio do ano passado foi concluída a transação que vendeu 90% da SAF do Esporte Clube Bahia para o Grupo City. Na ocasião, o CEO do grupo bilionário, Ferran Soriano, prometeu que o BoraBahêaMinhaPorra seria o segundo maior clube dentre os 13 comandados por eles. Pois bem, eu gostaria de saber como estão os outros, pois, desde a SAF o Jahia só sifu e, mesmo com as palavras bonitas de Ferran, só se ferra.

Não sei vocês se lembram, mas no Campeonato Brasileiro do ano passado, só não caímos porque o Santos lutou bravamente pela vaga na Série B e se foi em nosso lugar. Por nosso próprio desempenho, estaríamos na segundona. Mas, era o primeiro ano desde a transação milagrosa e pediram paciência. Aí vem o Campeonato Baiano. Resultado: vice. E um vice sem brios, tendo o Vitória dominado a sequência de BaVis com uma garra que nem passou perto do assim chamado tricolor de aço. Rogério Ceni exibe uma calma na beira do gramado que ficaria bem num Mahatma Gandhi, não num treinador do Bahia que precisa reverter um resultado diante de sua torcida. Enfim, vou repetir a pergunta: foi pra isso mesmo que venderam o Bahia? Pois, se foi, não precisava. Lutar para não ser rebaixado e perder o Baianão a gente já fazia com o orçamento tradicional.

Sejamos honestos, é uma vergonha! O Bahia City só se justificaria se atropelasse os times locais e disputasse competitivamente os campeonatos nacionais e sulamericanos. Não adianta meter 4 em um time do interior, cuja folha seria inteiramente paga só com o salário de Everton Ribeiro e ainda sobraria troco. O Vitória veio da Série B, com orçamento de Série B. Ficou sete anos sem ganhar sequer um Campeonato Baiano. E foi superior ao segundo maior clube do Grupo City. Sei que resta o Nordestão. E espero que a gente traga. Mas, vou dizer mais uma vez: não foi pra isso que se vendeu o Bahia. Essas disputas regionais a gente já tinha.

Lembro que, em Lisboa, me chamou a atenção uma loja de souvenirs chamada O Mundo Fantástico da Sardinha Portuguesa. Achei incrível terem transformado latas de sardinha em produto turístico de sucesso. Agora, fico me perguntando, será que eles teriam feito uma venda do Bahia melhor que essa da Shopee…?!? Fica a pergunta. #PorraDoBahia!!!