Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Dupla Ba-Vi: Vai tomar no braço ou na bunda?

A bola tá tão murcha que até as piadas, o glorioso ministério dos memes foi afetado e perdeu a graça. Rebaixaram o famoso “rir para não chorar” ao mero chorar as pitangas

[Dupla Ba-Vi: Vai tomar no braço ou na bunda?]
Foto : Felipe Oliveira / ECB

Por James Martins no dia 21 de Janeiro de 2021 ⋅ 15:24

Sou do tempo em que a pergunta fundamental a respeito de uma vacina era: “É de injeção ou de gotinha?”. E, se a resposta fosse a primeira, vinha o infalível complemento: “No braço ou na bunda?”. Pois hoje em dia tomar ou não tomar vacina é uma discussão partidária. Aliás, até remédio de direita ou de esquerda já pintou no novo normal da consciência política brasileira. Talvez a culpa seja da decadência das novelas, que não mobilizam tanto o papo furado nos balcões, mesas de bar e sessões de manicure. Resultado, o pessoal trocou Odete Roitman e o Cadeirudo por Lula e Bolsonaro e deu no que deu. Saudades também de quando rede social servia mesmo era pra postar foto de comida e pet. Agora, até isso virou atestado de posicionamento ideológico. Um pratão de churrasco é de direita; uma feijoada vegana, de esquerda. Mas, se o churrasco for na periferia, por homens e mulheres negrxs dançando pagode, aí o (dizem) “campo progressista” entende como genuína manifestação cultural. Enfim, chatices. E ai de quem tentar escapar do esquema. Ou do sistema. 

Meu amigo Dicinho, por exemplo, artista plástico, macrobiótico, fudião e praticante de ioga, pretendia propor uma ampliação do debate sobre a obrigatoriedade da vacina. Mas a verdade é que nem tentou, pois, petista que é, seria convertido em bolsonarista numa sentada. E é por essas e outras que eu proponho justamente o contrário — em vez de vacina (que de fato é e tem que ser o assunto do momento) voltemos a falar na dupla Ba-Vi. Até porque, aqui, nem tem muito o que discutir. A pergunta ecoa como numa sala vazia: “Vai tomar no braço ou vai tomar na bunda?”. E tome-lhe enfiada. Torcedor já tá até vacinado. Enquanto escrevo esse artigo, ambos habitam suas respectivas zonas de rebaixamento: Bahia da série A para a série B, Vitória da B para a C. Um elevador só de descida. Com o jornal publicado, é possível que o status de um ou outro (ou dos dois) tenha mudado levemente. O essencial, porém, não mudou. Haja sofrimento. O novo normal não chegou por aqui. Ou melhor, o novo normal do futebol baiano é igualzinho ao da humanidade: aquilo mermo, não muda nada.

O Bahia tem uma gestão elogiada, até mesmo exemplar em alguns pontos, tanto assim que o presidente Guilherme Bellintani se reelegeu com ampla margem. Mas a torcida reclama que o campo não reflete a operação. E a verdade é que esse ano a coisa tá pior que no passado recente, quando o time teve chances reais na Copa Sul-Americana, por exemplo. Já o Vitória apostou num salvador da pátria, Paulo Carneiro, talvez o mais importante dirigente da história do clube, mas que parece ter deixado os bons momentos no passado, donde, ademais, parece, ele mesmo, não ter saído — e nem querer e/ou não saber como sair. A bola tá tão murcha que até as piadas, o glorioso ministério dos memes foi afetado e perdeu a graça. Rebaixaram o famoso “rir para não chorar” ao mero chorar as pitangas. Sem torcida nos estádios, nem sequer um protesto decente rola. Bom, tomara que a vacina seja no braço, pois na bunda a gente já tá tomando faz tempo.

Artigos relacionadas

[Bem-vindos a Sucupira]

Bem-vindos a Sucupira

Por Malu Fontes no dia 25 de Fevereiro de 2021 ⋅ 08:09

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole

[Da poesia concreta à urna eletrônica]

Da poesia concreta à urna eletrônica

Por James Martins no dia 18 de Fevereiro de 2021 ⋅ 13:05

Frases de efeito, à esquerda e à direita, não são apenas as que lacram nas redes sociais mas também, consequentemente, as que vencem eleições

[O segundo ano do resto de nossas vidas]

O segundo ano do resto de nossas vidas

Por Malu Fontes no dia 18 de Fevereiro de 2021 ⋅ 07:59

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole

[O ano em que um vírus proibiu o Carnaval]

O ano em que um vírus proibiu o Carnaval

Por Malu Fontes no dia 11 de Fevereiro de 2021 ⋅ 08:09

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole

[O BBB de Karol ConKkk]

O BBB de Karol ConKkk

Por James Martins no dia 04 de Fevereiro de 2021 ⋅ 08:30

A participação da cantora rende discussões sérias sobre xenofobia, racismo e, se vacilar, até veganismo digital... mas tudo não passa de televisão

[O custo Brasília e o leite condensado]

O custo Brasília e o leite condensado

Por Malu Fontes no dia 28 de Janeiro de 2021 ⋅ 08:20

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole

[Uma nação à deriva ]

Uma nação à deriva 

Por Malu Fontes no dia 21 de Janeiro de 2021 ⋅ 10:49

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole

[Ford: nada está bom, nunca]

Ford: nada está bom, nunca

Por Malu Fontes no dia 14 de Janeiro de 2021 ⋅ 08:05

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole