Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Brasil

Gabarito do Enem foi mudado porque tinha um erro, não por questão de racismo, diz presidente do Inep

Alexandre Lopes disse não poder comentar as questões; "O gabarito não foi mudado por questão de racismo. O que houve foi a correção do gabarito", afirmou ele

[Gabarito do Enem foi mudado porque tinha um erro, não por questão de racismo, diz presidente do Inep]
Foto : Gabriel Jabur/MEC

Por Danielle Campos no dia 30 de Janeiro de 2021 ⋅ 14:30

Após acusações de racismo em questões e mudanças no gabarito do Enem, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, disse que a resposta do gabarito a uma pergunta que cita o livro "Americanah", da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichi, foi alterada porque tinha um erro, não por haver "questão de racismo". As informações são do G1.

"Não comentamos as questões. O que houve foi uma remissão errada. O gabarito não foi mudado por questão de racismo. O que houve foi a correção do gabarito", afirmou Alexandre Lopes. 

A pergunta traz um trecho em que duas mulheres negras conversam em um salão de beleza, sobre alisamento de cabelo. A personagem é persuasiva não aprovando a ideia, pois gosta do seu cabelo natural, "como Deus o fez".

O Enem, então, questiona o que os argumentos da cliente representam. Professores apontam que a alternativa correta seria a "c": "revelam uma atitude de resistência", no entanto, na primeira divulgação, a alternativa do gabarito oficial do Enem apontava a opção "d" como certa: "demonstram uma postura de imaturidade". Depois, o gabarito foi corrigido para "c". O Inep disse que foi encontrada "uma inconsistência no material".

Outra alteração foi feita em uma questão que, de acordo com a resposta do gabarito oficial, afirmava que o Google associava nomes de pessoas negras a fichas criminais por causa da "linguagem", não por "preconceito".

O presidente do Inep reafirmou que a primeira opção apresentada como alternativa estava errada, e não poderia tecer comentários sobre um gabarito que estava errado. Lopes declarou que não quer "restringir a opinião de ninguém". "Houve um erro na divulgação do gabarito e foi corrigido. Uma vez corrigido está aberto à sociedade para discutir a questão e todos podem ter suas opiniões", pontuou ele.

Notícias relacionadas