Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Brasil

‘Não existe medicamento comprovado cientificamente’ admite Bolsonaro

Presidente fez pronunciamento no Palácio do Planalto para falar sobre plano de vacinação contra o coronavírus

[‘Não existe medicamento comprovado cientificamente’ admite Bolsonaro]
Foto : Isac Nobrega/PR

Por Gabriel Amorim no dia 10 de Março de 2021 ⋅ 16:18

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez um pronunciamento na tarde de hoje (10) para falar sobre o Plano Nacional de Vacinação. Durante o discurso, Bolsonaro chegou a admitir que a não existência de medicamentos com eficácia comprovada contra o coronavírus. “Ao menor sintoma de Covid, procure a unidade básica de saúde. O médico sabe que não existe um medicamento ainda com sua eficácia comprovada”, orientou o presidente.

Bolsonaro seguiu, no entanto, recomendando o que chamou de 'atendimento imediato’. “Muitos médicos afirmam que existe um tratamento opcional e esse tratamento precisa ser realizado. Com uma cesta de produtos que tem sua eficácia”, disse ele, novamente citando medicamentos como cloroquina e ivermectina, que não tem comprovação científica de resultado.

Sobre o programa de vacinação, Bolsonaro afirma que, até o final do ano, mais 400 milhões de doses serão disponibilizadas aos brasileiros. “O Brasil está fazendo a sua parte, o Ministério da Saúde e o governo federal estão mostrando seu trabalho”, defendeu o presidente. Bolsonaro ainda afirmou que uma equipe composta por representantes dos ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia estão voltando hoje a Israel. “Estamos em busca de assinar parceria para protocolo de intenções tanto para produção de uma vacina brasileira e de um medicamento contra a Covid”, disse o presidente defendendo a necessidade de um remédio. “A solução para a sua cura é um remédio. Sabemos que até quem já se vacinou pode pegar a doença então precisamos de um remédio”, disse o presidente

Notícias relacionadas