Brasil

Em vídeo, Temer chama delação de executivo da Odebrecht de mentirosa

O presidente Michel Temer divulgou um vídeo no Twitter, nesta quinta-feira (13), negando ter participação no acerto de pagamento de propina da Odebrecht ao PMDB. Segundo o presidente, a mentira lhe \'causa repulsa\' [Leia mais...]

[Em vídeo, Temer chama delação de executivo da Odebrecht de mentirosa]
Foto : Reprodução

Por Luiza Leão no dia 13 de Abril de 2017 ⋅ 19:26

O presidente Michel Temer divulgou um vídeo no Twitter, nesta quinta-feira (13), negando ter participação no acerto de pagamento de propina da Odebrecht ao PMDB. Segundo o presidente, a mentira lhe \'causa repulsa\'.

O vídeo foi publicado depois que houve a divulgação da delação premiada do ex-executivo da empreiteira Márcio Faria, que afirmou que em uma reunião com Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves e Michel Temer, no escritório particular do presidente, para acertar o pagamento de R$ 40 milhões ao PMDB e garantir a vitória da Odebrecht em um processo de licitação da Petrobras.

\'A mentira é que nessa reunião eu teria ouvido referência a valores financeiros ou a negócios escusos da empresa com políticos. Isso jamais aconteceu, nessa reunião, nem em qualquer outra que eu tenha feito ao longo de minha carreira pública, com qualquer pessoa física ou jurídica\', declarou o presidente no vídeo.

 

(AI) Presidente Temer: “Não tenho medo de fatos. O que me causa repulsa é a mentira.” pic.twitter.com/CaXD6vc8s4

— Michel Temer (@MichelTemer) 13 de abril de 2017

Notícias relacionadas

[Nível dos rios Acre e Madeira diminui ]
Brasil

Nível dos rios Acre e Madeira diminui

Por Danielle Campos no dia 18 de Janeiro de 2020 ⋅ 07:30 em Brasil

Após atingir recorde de cheia no início do ano, Rio Acre agora apresenta índices considerados normais

[Homicídios caem 21,4% de janeiro a setembro de 2019]
Brasil

Homicídios caem 21,4% de janeiro a setembro de 2019

Por Luciana Freire no dia 16 de Janeiro de 2020 ⋅ 22:00 em Brasil

Para o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, dados confirmam a queda dos índices criminais durante os primeiros meses do governo